Bolsonaro e generais colocam coronel para espionar policiais e professores contrários ao governo

A- A A+

No dia 24 de julho, o jornalista Ruben Valente do monopólio de imprensa UOL revelou em uma reportagem que o Ministério da Justiça, por meio do órgão Secretaria de Operações Integradas (Seopi), realiza espionagem contra 579 policiais federais e civis por serem considerados apoiadores de movimentos “antifascistas” e “inimigos” do governo. Vale lembrar que Bolsonaro nomeou o coronel Gilson Libório de Oliveira Mendes para o cargo de diretor de inteligência do Seopi. 

Com o levantamento feito, o ministro da Justiça, André Mendonça, tem agora em suas mãos um dossiê com identificação, fotografias, endereços e redes sociais desses agentes.

Oficialmente o papel de Libório na tarefa dada por Bolsonaro é de “elaborar estudos e pesquisas para o aprimoramento das atividades de inteligência de segurança pública e de enfrentamento ao crime organizado” na Seopi, que é chefiada pelo delegado Jeferson Lisboa Gimenes.

O coronel Libório é formado pela turma de 1982 da Academia Militar das Agulhas Negras como Oficial da Arma de Infantaria e já trabalhou como major na Casa Militar em 1998. Quando foi promovido a tenente-coronel, Libório foi trabalhar no gabinete do comandante do Exército, atuando no Centro de Informações e da Comunicação Social e nas assessorias jurídicas, finanças do comandante e parlamentar.

Após a saída de Sérgio Moro do Ministério da Justiça veio a tona tais características da Seopi, se transformando numa espécie de “Abin paralela” do governo. 

Tais fatos indicam avanço na terceira tarefa da ofensiva contrarrevolucionária (golpe de Estado militar pelas vias institucionais), precisamente na tarefa de fazer uma “faxina” no velho Estado brasileiro, removendo-lhe elementos democráticos e mesmo vinculados ao oportunismo (falsa esquerda eleitoreira) para impulsionar mais a repressão e militarização da sociedade com o mínimo de resistência institucional.

André Mendonça e Bolsonaro durante a posse daquele como Ministro da Justiça e Segurança Pública. Foto: Minervino Junior/CB/D.A Press

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira