Quênia: Contra genocídio e matanças durante quarentena, povo se levante em fúria

A- A A+

Centenas de trabalhadores quenianos atearam fogo em uma delegacia de polícia após um agente executar um vendedor ambulante, no dia 6 de julho, no condado de Kisii. O combativo protesto ocorre em meio a efervescência geral, após meses de “isolamento social” dentro do qual as forças do velho Estado aprofundou a miséria e a matança de massas como forma de controle social.

O agente reacionário matou o ambulante porque, supostamente, estaria (o vendedor) falsificando higienizadores de mãos. Isso, além de não comprovado e não ser motivo para o crime bárbaro, não convenceu as massas, que em minutos tomou a delegacia e a reduziu a pó. Veículos da polícia foram incendiados também e pedras, garrafas e outros objetos foram arremessados contra os prédios policiais.

As massas, buscando justiça e despejando sua ira acumulada após meses de violência em silêncio, atacou ainda 14 policiais, ferindo-os. Os manifestantes só dispersaram após os policiais dispararem contra a multidão.

Um dia depois, a polícia reacionária queniana reprimiu brutalmente uma manifestação com cerca de 100 pessoas, que protestavam contra a repressão, abusos e assassinatos contra o povo promovidos pelo velho Estado durante a quarentena do coronavírus, além da ingerência da crise sanitária. Com violência, os agentes atiraram bombas de gás lacrimogêneo e prenderam 56 pessoas, impedindo a marcha de chegar ao gabinete do presidente.

Desde janeiro até julho, a Missing Voices, uma coalizão de pelo menos uma dúzia de grupos que lutam pela garantia direitos no Quênia, documentou 100 casos de assassinatos policiais contra o povo, sem mencionar aqueles escondidos.

Ao todo, o mês de julho contou ainda com outras ações de massas, capitaneadas e organizadas por grupos armados salafista (vertente do islã). Dentre as ações, motivadas por repulsa à exploração e opressão do velho Estado, estão justiçamento de policiais, como ocorrido no dia 23 de julho, no condado de Garissa, e destruição de torre de comunicações, como ocorrido no dia 9 de julho em Korakora, no mesmo condado.


Policial sufoca manifestante durante protesto no Quênia, Nairobi, 7 de julho

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademoc[email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza