MS: Luta pela liberdade de idoso Guarani Kaiowá preso pela Força Nacional em 2018

A- A A+

Leonardo de Souza, idoso Guarani e Kaiowá preso injustamente durante uma invasão da Força Nacional em seu território em 2016.

Em 13 de dezembro de 2018, agentes da Força Nacional de Segurança invadiram violentamente a reserva Guarani e Kaiowá Tey'i Kue, em Caarapó, Mato Grosso do Sul. Durante o ataque os agentes lançaram bombas de gás lacrimogêneo e spray de pimenta, e prenderam um indígena. 

O indígena preso, Leonardo de Souza, de 59 anos, foi levado para a sede da Polícia Federal, em Dourados, e denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) por "tortura de policiais, cárcere privado qualificado, roubo qualificado, sequestro, dano qualificado e corrupção de menores". 

Leonardo é pai do jovem líder indígena e agente de saúde, Clodiodi Aquileu Rodrigues de Souza, guarani assassinado enquanto lutava para defender sua terra no chamado Massacre de Caarapó, ocorrido em 14 de junho de 2016, quando caminhonetes do latifúndio tripuladas por dezenas de pistoleiros acompanhados por cavalos, motocicletas e um trator invadiram a Terra Indígena (TI) Dourados-Amambaipegua I, hoje conhecida como tekoha Kunumi Poty Verá, localizada no município de Caarapó e abriram fogo contra os Guarani-Kaiowá que reocupava junto a outros 300 indígenas o território chamado de tekoha Toro Passo.

Após dois anos de sua injusta prisão e em meio à pandemia, o indígena, que é idoso, diabético e vive um quadro depressivo ainda espera a análise do pedido de Habeas Corpus (HC) pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Os latifundiários e seus capachos seguem impunes

Devido ao Massacre de Caarapó ocorrido em 2016, os latifundiários Dionei Guedin, Eduardo Yoshio Tomonaga, Jesus Camacho, Virgilio Mettifogo e Nelson Buainain, foram brevemente detidos em agosto daquele ano. Atualmente todos eles agora respondem em liberdade.

Os agentes da Força Nacional que ameaçaram "destruir o resto dessa família" (fazendo referência ao assassinato de Clodiodi) ao invadir em 2018 a Tey'i Kue e levar Leonardo preso, também não foram punidos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira