Líbano: Sanha imperialista se traveste de ‘ajuda internacional’ após explosão em Beirute

A- A A+

O presidente da França, Emmanuel Macron, cercado por militares libaneses em sua visita a Beirute. Foto: CNN

Após a enorme explosão no porto de Beirute, capital do Líbano, no dia 4 de agosto, que causou uma destruição colossal em um raio de mais de 10 quilômetros, matando pelo menos 135 pessoas e ferindo mais de 5 mil, um estado de emergência de duas semanas foi declarado, e o controle sobre a cidade entregue às Forças Armadas Libanesas (LAF, na sigla em inglês). 

A explosão, que até agora não teve as causas esclarecidas, incitou o sentimento de solidariedade ao povo e nação libaneses em todo o mundo. No entanto, em certos casos, a aparência de bom-mocismo mascara, na realidade, a sanha imperialista que vê na vulnerabilidade do país uma oportunidade.

De prontidão, após tamanho terror que deixou mais de 300 mil pessoas desabrigadas até o momento em Beirute, a França, o Estados Unidos (USA), o Fundo Monetário Internacional (FMI), o Banco Central e a “Organização das Nações Unidas” (ONU) apressaram-se para impor como urgentes ao país reformas projetadas nos seus moldes, buscando afastar o Líbano do Irã e da Síria e isolar o Hezbollah e qualquer grupo que atue na defesa do país contra as agressões israelenses e ianques.

VISITA DE MACRON É PRENÚNCIO DE INTERVENÇÕES NO LÍBANO

No dia seguinte à explosão, com o Líbano ainda em luto e atordoado com os acontecimentos, o representante do imperialismo francês, Emmanuel Macron, viajou para o país travestindo-se de bom samaritano para advogar pelos interesses que representa. Logo que chegou, declarou que, além de remédios e suprimentos, “o que também é necessário aqui é uma mudança política”, e que “essa explosão deve ser o início de uma nova era”. Ele também disse à imprensa que realizará nos próximos dias uma conferência internacional de “ajuda” ao Líbano.

Enquanto isso, nas poucas horas que passou no país, Macron proferiu múltiplos ataques e ameaças à soberania nacional libanesa e descaradas chantagens políticas de cunho colonialista. Destarte, ele assegurou auxílio financeiro ao país, sob a condição de que não fosse “entregue nas mãos de corruptos”, deslegitimando qualquer forma de instituição política do Líbano que não sujeita a sua dominação. 

Além disso, o imperialista francês enfatizou repetidas vezes que não reconhece qualquer esforço do governo de investigar o ocorrido, exigindo que seja feita uma investigação “independente”, em tribunais internacionais. 

Ao instar que o Líbano deverá ser condicionado a um “pacto de mudanças” e passar por reformas de austeridade nos setores elétrico, bancário e aduaneiro seguindo “uma estrutura internacional”, ou seja, seguindo as exigências imperialistas em troca de tal “ajuda”, ele frisou que o Banco Mundial e a ONU desempenhariam um papel central na implementação dessas reformas.  Separadamente, o representante do imperialismo francês enfatizou que, dentre essas referidas mudanças, estaria a auditoria do Banco Central libanês.

Em outro comentário infame, Macron afirmou que em pouco tempo o Líbano começará a sofrer com a escassez de comida e combustível e que “isso será culpa de quem se recusar a agir hoje”, em tom de ameaça aos que não se alinharem às suas chantagens. No entanto, ele convenientemente se abstém de mencionar as sanções lançadas pelo imperialismo ianque que ajudaram a asfixiar a economia do Líbano, impediram o suprimento de petróleo do Irã para o país e reprimiram suas relações com a nação vizinha, a Síria.

Apesar de afirmar que se encontraria com “todos os atores políticos” para discutir a situação do país, Macron deliberadamente excluiu pessoas ligadas ao Hezbollah. Em uma coletiva de imprensa realizada no Palácio Pine, por exemplo, a repórter Mona Tahini, do Al-Manar (canal televisivo favorável ao Hezbollah), foi impedida de fazer uma pergunta ao presidente francês. Embora a desculpa dada tenha sido de que Macron não tinha tempo para responder sua pergunta, a jornalista gravou um vídeo em que mostra o francês conversando e tirando fotos com jornalistas que o apoiam. 

Assim que chegou, Macron fez uma “visita” ao local da explosão, em que, cercado de pessoas a favor da intervenção imperialista no país, recebeu gritos clamando a retomada da submissão nacional ao colonialismo francês. Em 1922, o Líbano foi colocado sob mandato francês e, durante a Segunda Guerra Mundial, foi ocupado por forças francesas apoiadas pelo imperialismo inglês. A isso, Macron respondeu que tem esperança em “mudanças” no Líbano, baseada na “raiva dos jovens e das ruas”.

O CUSTO DA ‘AJUDA’ INTERNACIONAL

O general Frank McKenzie, porta-voz do Comando Central (Centcom) do USA, responsável por todas as operações do imperialismo ianque na região do Oriente Médio Ampliado, afirmou que o Exército ianque está pronto para prestar assistência aos libaneses, em uma “parceria” entre a Agência do USA para o Desenvolvimento Internacional (USAID), o Exército libanês e a Embaixada ianque no Líbano.

Posteriormente, a Embaixada ianque em Beirute confirmou, no dia 7/08, que o USA enviaria um total de 15 milhões de dólares em suprimentos alimentícios e médicos.

Há muitos anos o imperialismo ianque vem financiando deliberadamente o Exército libanês para servir como um “baluarte crítico” contra o Hezbollah. Em dezembro de 2019, por exemplo, o USA enviou mais de 105 milhões de dólares em assistência militar ao Líbano, mas desde o ano de 2006 já foram fornecidos mais de 1,7 bilhão de dólares às LAF, segundo o monopólio de imprensa The Washington Post. Esses fundos equiparam as LAF com aeronaves, artilharia, armamento e munição ianques, além de treinamento e “apoio consultivo”  militares.

O projeto de lei de dotações fiscais do USA para o ano de 2020, sancionado pelo arquirreacionário presidente Donald Trump, reiterou que o financiamento ianque às LAF visa a “profissionalizar as LAF para mitigar ameaças internas e externas de atores não estatais, incluindo o Hezbollah”, e que esperava que as LAF usassem o dinheiro para “interditar o envio de armas e prevenir o uso do Líbano como um porto seguro para grupos terroristas”.

Já o FMI instou o governo libanês a adotar as reformas que ele próprio vinha propondo para a atual administração do velho Estado libanês desde o mês de maio, em negociações sobre a crise no Líbano, que já data de anos. Após a explosão do porto de Beirute, o FMI declarou que “é essencial superar o impasse nas discussões sobre reformas críticas”.

Como já colocava Thomas Sankara, líder do movimento de Resistência Nacional da colônia francesa de Alto Volta (depois, como nação independente, Burkina Faso), sobre a questão da “ajuda” imperialista: tais “políticas de ajuda e assistência apenas nos levaram a ficar completamente desorganizados, a escravizar-nos, a fugir de nossa responsabilidade em nossas áreas econômicas, políticas e culturais. Optamos por buscar formas de organização que melhor se adaptem à nossa civilização, rejeitando abruptamente, e de uma vez por todas, todos os tipos de imposições externas”, em seu discurso na Assembleia Geral da ONU, em 1984.

O LÍBANO DEVE RESPONDER SEUS PRÓPRIOS PROBLEMAS

O Líbano já vive uma crise econômica e política profunda, com o desemprego atingindo a porcentagem de 25% da população, atirada à miséria e fome, enquanto os serviços básicos de atendimento ao povo eram sucateados e “privatizados”: a empresa local do setor energético, a Electricité du Liban, e o próprio Porto de Beirute sofreram sucessivos cortes de verbas, e o acesso à água potável e à saúde pública já eram precários para a maioria do povo.  

No final de 2019, a situação atingiu um nível ainda superior de criticidade, quando revelou-se que o banco central do país administrava um “esquema Ponzi” (tipo de esquema de pirâmide financeiro), em que pegava dinheiro emprestado dos bancos a taxas de juros maiores que as do mercado para pagar as dívidas do velho Estado. Em outubro, uma escassez de moeda estrangeira levou a libra libanesa a perder valor em relação ao dólar, chegando ao ponto dos importadores de trigo e combustível exigirem pagamento em dólares. 

O país foi, então, tomado por manifestações de milhares de massas libanesas. que levaram à renúncia do então primeiro-ministro, Saad Hariri, que contava com o apoio do imperialismo ianque e francês, tendo inclusive se mudado com a sua família para Paris a pedido de Macron, após sua renúncia. 

Seu pai, Rafik Hariri, um magnata libanês e, por duas vezes, primeiro-ministro do país, teve um papel central na política de precarização da vida e dos serviços básicos desde a década de 1990. Os problemas do Líbano, enquanto parte de um sistema de opressão e exploração falido e que datam já desde sua época de colônia francesa, devem ser resolvidos pelo próprio povo libanês, e não seguindo imposições imperialistas desconectadas da realidade nacional.

Saad Hariri, ex-primeiro-ministro do Líbano, apertando as mãos de seu apoiador, o presidente da França Emmanuel Macron, em 2017. Foto: Ludovic Marin / AFP

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza