USA: Polícia alveja homem negro e povo desata rebelião geral em Chicago; 13 policiais feridos

A- A A+


Manifestantes reúnem-se em frente ao Distrito 1 do Departamento de Polícia de Chicago exigindo a libertação dos manifestantes. Foto: Tyler LaRiviere/Sun-Times

Centenas de pessoas se rebelaram em protesto, por dois dias seguidos, contra a violência policial que alvejou um homem preto de 20 anos, no bairro de Englewood, na noite de 9 de agosto. A rebelião tomou forma horas após o crime e se arrastou até a manhã do dia 10, se desenvolvendo até o centro de Chicago. Durante o levantamento das massas, que cessou apenas na noite do dia 10, houve enfrentamentos com as forças de repressão, ataques e confiscos a lojas do monopólio e até trocas de tiros. 

Pelo menos 13 dos 400 agentes da polícia de Chicago destacados para a repressão no centro da cidade foram feridos durante os dois dias de protesto, por arremessos de garrafas e ataques físicos. Muitos foram alvos de disparos, tiroteios que têm se generalizado dada a violência policial; a polícia apreendeu cinco armas entre a multidão.

Logo após o jovem ser ferido, no dia 09/08, 30 pessoas enfrentaram os destacamentos policiais, e houve troca de tiros. Um agente foi atingido com gás pimenta e um outro foi ferido no ombo. Em outro ponto da cidade, uma viatura foi cravada à bala, como medida de vingança da juventude.

No dia 10, manifestantes de toda a cidade se dirigiram a partes do centro da cidade de Chicago frequentadas pelas classes dominantes e, entre confrontos com a polícia, as massas empobrecidas realizaram confiscos de materiais de higiene pessoal e de produtos de dezenas das grandes lojas do monopólio e da burguesia em geral. Cerca de 100 manifestantes foram presos.

A polícia só conseguiu cessar temporariamente com a rebelião do dia 09/08 após um último combate de quatro horas contra os manifestantes, já na noite de 10/08, teve que recorrer mais uma vez a pedidos de ajuda à Guarda Nacional do estado de Illinois. Em decorrência das seguidas noites de revolta, o Juiz Chefe do Tribunal do Condado ordenou o encerramento de todos os tribunais da cidade (com exceção de um), e uma cerimônia de inauguração no bairro de Englewood para um novo tribunal de justiça também foi cancelada.

No dia 11/08, protestos novamente aconteceram em frente à estação de polícia do 7° distrito de Englewood.

o caos social gerado pela pobreza na terceira maior cidade do USA

Expondo a profunda desigualdade da cidade de Chicago, os dados oficiais mostram que, ao total, 20,6% da população vive abaixo do limiar da pobreza, sendo que um em cada 4,8 residentes de Chicago vive em tal situação (cerca de 550 mil pessoas). Um número que é superior à média nacional estadunidense, de 13,1%. 

Escancarando as diferenças nos padrões de vida entre a população preta e branca na cidade, os dados do American Community Survey de 2017 (em estimativas de 5 anos) mostram que dos negros que vivem em Chicago (29,8% da população geral), 32% deles vivem abaixo do limiar da pobreza. Em contrapartida do total de brancos, 9,7% deles vivem abaixo desse limiar. Também as maiores populações que vivem na pobreza são as mulheres de 25 a 34 anos, seguidas pelas mulheres de 18 a 24 e depois as mulheres 35 à 44.

Sobre o genocídio do povo preto praticado pelo Estado imperialista através de suas forças policiais, de acordo com a Better Government Association, a polícia de Chicago matou 240 pessoas no período 2010-2014, cerca de uma por semana. Dessas, dois terços eram pretas.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza