Peru: Três camponeses são assassinados pela polícia em protesto contra petrolífera

A- A A+


Camponeses indígenas são covardemente assassinados por policiais durante protesto contra petrolífera. Foto: Otto Manuyama

Três camponeses indígenas morreram e 17 pessoas ficaram feridas (entre eles seis policiais) em um confronto entre policiais e nativos, no dia 9 de agosto. O confronto ocorreu após os camponeses ocuparem as instalações do Lote de Petróleo 95, administrado pela empresa PetroTal. Os camponeses exigem o fim das operações que contaminaram os solos da região de Loreto, além de denunciar o abandono do povo na região pelo velho Estado, gerando um grande número de mortos pela Covid-19. Diante do assassinato dos camponeses, a empresa anunciou que as atividades no local seriam interrompidas.

Desde o dia 05/08, cerca de 70 camponeses deixaram a comunidade de Bretaña, província de Requena, rumo às instalações do Lote de Petróleo 95. James Rodriguez, ex-presidente da Associação de Comunidades Nativas Kukama Kukamiria (Aconakku), contou ao jornal Mongabay Latam o que aconteceu: "Eu estava no grupo que veio ontem à noite para conversar com os representantes da empresa petrolífera. Eles nos disseram que não podiam falar, que não tinham nenhuma autorização, então os irmãos decidiram tomar conta das instalações. Preparamos-nos com as lanças, não com as armas de fogo. Foi quando estávamos unidos que eles apagaram as luzes e iniciaram uma enxurrada de balas de arma de fogo. Eles não atiraram no ar, mas para matar", disse o dirigente indígena.

As comunidades indígenas exigem que a empresa PetroTal e o velho Estado instalem serviços básicos em suas áreas, pois até o momento carecem de eletricidade permanente e de uma rede de água potável. Eles também exigem que as condições de serviço de saúde sejam melhoradas, especialmente com a situação atual na Amazônia peruana devido à pandemia da Covid-19, com o Peru sendo o segundo país latino com maior número de indígenas infectados pela doença (sendo o primeiro o Brasil).

Jorge Perez, presidente da Organização Regional dos Povos Indígenas do Leste (Orpio), expõe o não cumprimento dos acordos sobre o fundo a ser investido nas comunidades. "O que os irmãos da bacia de Puinahua estão alegando é que nem a empresa PetroTal nem o Estado se manifestaram, nem no contexto da pandemia e nem antes deste período. Eles tinham uma agenda local com o Estado na qual parte da produção de petróleo sob controle entraria em um fundo a ser utilizado para investir nas comunidades, mas isto não foi cumprido", afirmou.

Camponeses indígenas resistem bravamente à matança da polícia


Os feridos foram levados por via fluvial para centros de atendimento em Requena, sendo os mais graves levados para Iquitos. Foto: Agnita Saboya

O coronel José Antonio Franco, chefe da Quarta Macrorregião da Polícia de Loreto, disse ao Mongabay Latam que os indígenas estavam "armados de lanças e espingardas" e que "eles começaram a atirar". Isto foi negado pelos líderes das organizações indígenas, que afirmam que eles só carregavam lanças.

O ministro do Interior, Jorge Montoya, confirmou a morte dos três indígenas e as justificou, dizendo que vários membros da polícia foram feridos com balas de arma de fogo. Diante de tal acusação, os camponeses respondem que não dispunham de armas de fogo, e que os ferimentos à bala dos policiais foram infligidos por eles mesmos, que atiraram ao léu no escuro.

Após os eventos, a PetroTal anunciou que suas atividades seriam interrompidas. "Em vista das medidas graves registradas em nossas instalações, a PetroTal é obrigada a anunciar a suspensão total de suas atividades no Lote 95", diz o documento.

15 anos de saque do petróleo

A empresa PetroTal está a cargo do Lote 95 há 15 anos e tenta esmagar a resistência camponesa e indígena contra a atividade monopolista desde então. Ugkum Jempetf, que representa as comunidades Kukama de Bajo Puinahua, onde está localizada a comunidade Bretaña, lembra que em 2019 o povo realizou vários protestos para exigir da companhia petrolífera que instalasse água e eletricidade em sua comunidade, bem como para melhorar as condições básicas de seu centro de saúde.

Em 24 de março de 2019, membros da comunidade indígena Bretaña ocuparam a estação no Lote 95 e, após pressão dos indígenas, o presidente do Conselho dos Ministros, Salvador Del Solar, prometeu analisar a proposta de declaração de emergência do oleoduto do Norte do Peru (ONP) e a revisão da lei de canhões de petróleo, bem como a criação de um fundo de investimento de 10 bilhões de soles peruanos (quase 3 bilhões de dólares) para atender os 25 distritos petrolíferos da região de Loreto, acordo que não foi cumprido, e que se cumprido, visaria apenas um aprofundamento da exploração de petróleo nas regiões.


São retirados os feridos e mortos após o covarde ataque da polícia aos camponeses. Foto: Al Rojo Vivo

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza