Colômbia: Exército assassina dois camponeses indígenas durante despejo de terra

A- A A+


Camponeses são assassinados durante despejo de terra no Norte de Cauca, Colômbia. Fonte: El Comunero

O Exército reacionário colombiano, junto com a Polícia de Choque (Esmad, sigla original) assassinou dois camponeses indígenas, feriu outros dois, e sequestrou outro camponês durante uma ação de despejo de terra na fazenda Miraflores, Norte de Cauca, no dia 13 de agosto. As famílias indígenas já viviam e cultivavam na fazenda há quase dez anos. 

O Exército, para se isentar dos assassinatos durante o despejo, disse que os indígenas que foram mortos estavam no meio de um confronto com dissidentes das "Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia" (FARC), mas um vídeo gravado durante a ação denuncia como o Exército abre fogo contra comunidade indígena indiscriminadamente.

Um dos camponeses assassinados foi Abelardo Liz, comunicador e jornalista da rádio indígena Payumat. Sua esposa se encontra grávida de cinco meses, aos 38 anos de idade. Johel Rivera, que lutava por terra há anos, também foi assassinado.


Johel Rivera, camponês indígena assassinado pelas forças de repressão. Fonte: El Comunero.

A fazenda Miraflores é um latifúndio que foi ocupado pelas comunidades indígenas do povo Nasa, devido aos grandes proprietários de terras e a grande burguesia terem saqueado as melhores terras no país, enquanto os indígenas e camponeses foram despejados nas encostas das montanhas, sem local apropriado para cultivar. Por essa razão, de acordo com o jornal popular e independente El Comunero, os povos indígenas estão avançando no processo que eles chamam de "libertação da mãe terra", tomando as terras do latifúndio e cultivando-as para o sustento das comunidades.

A comunidade indígena do Norte de Cauca já resistiu a vários despejos e permaneceu firme em sua luta incansável pela terra. Como os indígenas colocam: "onde o sangue Nasa é derramado, não podemos mais partir", e que exige vingança.

Veja aqui o vídeo de denúncia da ação dos militares:

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza