Líbano: Trabalhadoras domésticas migrantes exigem repatriação e denunciam abusos do consulado em protestos

Trabalhadoras domésticas se reúnem com seus pertences em Hazmiyeh, leste de Beirute, em 24 de junho de 2020

No dia 12 de agosto, dezenas de mulheres quenianas trabalhadoras domésticas (ao menos 30) protestaram ao lado de fora do consulado de Quênia, no bairro de Bandaro, em Beirute, pelo quarto dia seguido, pedindo retorno ao país de origem após a crise gerada no Líbano pela explosão. As mulheres também fizeram graves denúncias sobre maus tratos, cobranças indevidas e exploração sexual por parte dos funcionários do consulado. Ao menos uma delas foi presa. 

As manifestantes são imigrantes indocumentadas que dizem ter pago taxas exorbitantes ao consulado do Quênia na esperança de serem repatriadas. No dia 14/08, o Ministério de Assuntos Externos em Nairóbi, capital da Quênia, disse que mais de 40 quenianos levaram documentos ao consulado pedindo o retorno. Nos protestos, as mulheres chamavam os funcionários do consulado de "ladrões".

Desemprego após a explosão

Após a explosão do dia 04/08, as trabalhadoras foram expulsas dos trabalhos e de onde viviam; dezenas delas agora vivem em casas comunais “humanitárias”. Por uma situação trabalhista semelhante à escravidão, onde o passaporte das mulheres ficaram com o patrão, elas não podem recorrer aos aeroportos, onde correm risco de detenção e cadeia.

Desde o primeiro dia das explosões, trabalhadores e trabalhadoras migrantes, especialmente domésticas, têm recorrido aos consulados e embaixadas para voltar para seu país de origem ao perderem seus empregos. Outras trabalhadoras domésticas de origem africana enfrentam problemas similares.

Trabalhadoras denunciam maus tratos e abusos por parte da equipe do consulado

Há mais de 1 mil mulheres quenianas no Líbano. A maioria da comunidade de migrantes são trabalhadoras domésticas que são patrocinadas para estar no Líbano sob o sistema Kefala, uma forma de servidão que liga o status imigratório da mulher a um contrato de trabalho.

No mês de julho, o monopólio de mídia CNN relatou alegações de abuso no consulado de Nairóbi, dirigido pelo cônsul Sayed Chalouhi, em Beirute. Várias mulheres disseram que foram exploradas, abusadas verbalmente ou agredidas fisicamente por Chalouhi e seu assistente, Kassem Jaber, ambos de nacionalidade libanesa.

Em um protesto do dia 10/08, em um vídeo gravado, pode-se ver uma mulher gritando com o Assistente, dizendo: "Kassem, nós vamos ao escritório, você nos diz para nos prostituirmos. Nós não temos trabalho!".

Além das alegações de abuso, quatro mulheres disseram à CNN que testemunharam Chalouhi sugerindo que as mulheres quenianas procurem a prostituição a fim de cobrir suas despesas nos consulados. Todas as testemunhas disseram que Chalouhi e Jaber cobravam regularmente preços excessivos das mulheres quenianas para cobrir as despesas consulares.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro