Trabalhadores dos Correios iniciam greve contra a retirada de direitos e a privatização

A- A A+


Funcionários dos Correios cruzam os braços contra a retirada de seus direitos e privatização. Foto:  Cadu Rolim / FotoArena

Trabalhadores dos Correios iniciaram, no dia 17 de agosto, uma greve geral por tempo indeterminado em todos os estados do país contra a privatização da empresa estatal e as subsequentes demissões e retiradas de direitos.

A Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas dos Correios e Similares (Fentect) afirma que trata-se de um movimento contra a retirada de direitos, a privatização da empresa e a ausência de medidas para proteger os empregados da pandemia do novo coronavírus. A federação afirma ter sido surpreendida com a revogação, a partir de 1º de agosto, do atual acordo coletivo, cuja vigência vai até 2021.

Segundo a entidade, 70 cláusulas com direitos foram retiradas, como 30% do adicional de risco, vale-alimentação, licença-maternidade de 180 dias, auxílio-creche, indenização por morte e auxílio para filhos com necessidades especiais, além de pagamentos como adicional noturno e horas extras. A empresa registrou lucro líquido de R$ 102,1 milhões em 2019, segundo o Diário Oficinal da União.

Vários estados aderiram à greve se tornando uma greve nacional, e depois de negociações infrutíferas, não haverá prazo determinado para o fim da greve. Em seu manifesto, a Fentect afirma que desde julho os sindicatos tentam negociar com a direção dos Correios sobre a "negligência com a saúde dos trabalhadores" na pandemia. Outro motivo que pesou na deflagração de greve é uma possível privatização dos correios, sendo que os trabalhadores discordam do aumento da sua participação no plano de saúde.

O secretário-geral da federação, José Rivaldo da Silva, comentou que a paralisação será nacional, mas o mínimo de trabalhadores será mantido: “O governo Bolsonaro busca a qualquer custo vender um dos grandes patrimônios dos brasileiros, os Correios. Somos responsáveis por um dos serviços essenciais do país, que conta com lucro comprovado, e com áreas como atendimento ao e-commerce que cresce vertiginosamente e funciona como importante meio para alavancar a economia. Privatizar é impedir que milhares de pessoas possam ter acesso a esse serviço nos rincões desse pais, de Norte a Sul, com custo muito inferior aos aplicados por outras empresas”, finalizou.

Um dos estopins para a greve nos Correios foi uma conversa que o presidente da empresa, o general Floriano Peixoto, teve com o monopólio de imprensa Veja em julho. Nela, o general afirma que aceitou o cargo com a missão de acelerar o processo de privatização da empresa e assumiu a "redução de benesses" concedidas aos empregados, dizendo que o direito dos trabalhadores era nocivo para qualquer empresa. “Alguns benefícios estão sendo cortados porque a empresa não tem capacidade financeira nem condição de sustentar perante a sociedade a preservação deles em um momento tão difícil”, disse ele. Todavia, os direitos cedidos aos trabalhadores não se comparam aos "direitos" concedidos aos generais e alto oficialato militar, estes sim, privilegiados.

A possibilidade de retirada de benefícios e a passagem da empresa para o capital monopolista não estatal (privado) provocou a reação dos sindicatos. As duas federações que representam sindicatos (Findect, responsável por São Paulo e Rio de Janeiro e Fentect, que junta os outros estados) entraram em acordo e convocaram a greve. “Essa greve nacional dos trabalhadores dos Correios está sendo considerada por muitos como a mais importante dos últimos 20 anos. De Norte a Sul do país, a categoria atendeu ao chamado nessa luta importante pela manutenção dos direitos, benefícios e empregos”, afirmou uma das entidades em comunicado. “Não podemos nos iludir, pois a direção dos Correios não tem boa vontade, nem cair no conto de fadas que ela usa como estratégia para desmobilizar a greve. É preciso ampliar e fortalecer o movimento em todas as bases. Não podemos vacilar! ”, diz.

Segundo o movimento sindical, esta greve não é por aumento salarial, mas sim pela preservação de direitos já conquistados.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza