PA: Indígenas Kayapós fecham BR-163 e Indígenas Suruí fecham BR-153 em protestos contra o velho Estado

A- A A+

Os povos indígenas Kayapós e Suruí fecharam duas importantes estradas localizadas no estado do Pará, a BR-163 e a BR-153 em protestos contra o velho Estado.


Povo Kayapó afirma que a etnia não foi consultada para a obra que causa impactos no território e ergue barricada em defesa do seu território. Foto: Nucom/PRF 

Cerca de 200 indígenas Kayapós, com pinturas de guerra, realizaram um ato e interditaram, no dia 17 de agosto, a BR-163 na altura do quilômetro (km) 302, localizada a cerca o quilômetros de Novo Progresso, sudoeste do estado do Pará, distante cerca de 1,8 quilômetros de Belém. Mesmo em meio a ameaças judiciais, a interdição durou mais de 24 horas.

Barricadas de pneus e pedaços de madeira foram construidas na ponte sobre o Rio Disparada. Em frente as barricadas havia uma faixa com a frase: “Em defesa da Amazônia. Sem ouvir indígenas, não terá concessão e Ferrogrão. Não aceitaremos”. Apenas ambulâncias estavam sendo autorizadas a passar pelo grupo de indígenas.

A via é uma importante rota de escoamento de grãos do Brasil. Segundo as lideranças, a ação foi em protesto contra a falta recursos para o combate ao desmatamento ilegal, a invasão de grandes madeireiros e garimpeiros, a falta de apoio no enfrentamento à pandemia de Covid-19 nas Terras Indígenas (TIs) Baú e Mekragnotire, onde vive o povo Kayapó Mekragnotire. E também contra a construção de mais um grande projeto na Amazônia, a Ferrovia EF-170, com extensão total de 1.142 km. O latifúndio chama a ferrovia de Ferrogrão, devido seu objetivo principal aumentar a exportação de soja e milho e a importação de agrotóxicos pelos portos da Amazônia. Inicialmente serão construídos 933 km no trecho de Sinop em Mato Grosso até o porto de Miritituba em Itaituba no Pará, seu orçamento está previsto em R$ 12,6 bilhões.

O bloqueio que teve início nas primeiras horas do dia,  se estendeu até as 11 horas, provocou mais de 15 km de filas de veículos - a maioria carretas - na principal rodovia de escoamento da produção de grãos do Centro-Oeste para os portos de Miritituba e Santarém. No dia 19, um novo protesto aconteceu.

Na tentativa de intimidar os indígenas a juíza federal Sandra Maria Correia da Silva, da comarca de Itaituba, Pará, determinou a retirada do bloqueio pela Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal (PRF) e estipulou multa diária de R$ 10 mil para os Kayapós em caso de descumprimento. Eles se mantiveram firmes na luta e até as 11 horas da manhã do dia 18/08 os indígenas mantiveram a estrada bloqueada.  

Os indígenas denunciaram que não haviam sido notificados sobre a decisão da juíza. Eles decidiram liberar o tráfego temporariamente no final da manhã, mas permanecem no local e podem voltar a fechar a rodovia a qualquer momento.

A cobrança dos indígenas diz respeito, segundo Doto, à "promessa não cumprida" de consulta prévia aos povos indígenas no processo de concessão da Ferrogrão, ferrovia cujo traçado projetado passa a 50 quilômetros da TI Baú. Outra preocupação dos indígenas é a pandemia até segunda, 403 casos confirmados e quatro óbitos (todos anciãos) foram registrados nas duas TIs. Os óbitos, segundo Mudjere, são de indígenas da TI Baú e três deles ocorreram nas próprias aldeias. Apenas um indígena morreu no Hospital Municipal de Novo Progresso, que não possui leito de UTI.

"O inimigo do índio está em todo lado e um deles é invisível, por isso estamos buscando nos proteger. A maioria dos casos e das mortes estão acontecendo nas aldeias onde vivem indígenas que são atraídos pelos grandes garimpeiros e, quando voltam para a aldeia, acabam contaminando todo mundo. Por isso que precisamos proteger nossos territórios dos invasores" afirmou.

Outra liderança do povo Kayapó, Mydjere Kayapó Mekrãgnoti, em entrevista ao monopólio O Liberal, denuncia que a situação atual é de abandono por parte do Velho Estado. "O governo tem que vir nos ajudar, nos ouvir, então se o governador não aparecer aqui para conversar, nós vamos continuar fechando a BR. A nossa casa do índio está sendo abandonada. Falta motorista, carro, profissionais. O Governo nos esqueceu". A liderança também afirma que os povos indígenas são os verdadeiros protetores da floresta e vão resistir até o último “parente”. "A floresta, esse verde que ainda tem a Amazônia, é porque são terras indígenas. O mundo todo depende da floresta e nós, indígenas, dependemos da floresta e a floresta depende da gente, porque sem floresta o índio não vive, então queremos salvar nossa casa, nosso alimento, nossa mata e nós vamos lutar pelos nossos direitos até o último índio. Nós, Kayapós, já perdemos três dos nossos ansiões e o Governo não está nem aí para isso, para nós".


Kayapó Menkragnoti bloqueiam a BR-163. Foto: Instituto Kabu

Os Kayapós denunciam também o atraso na renovação do Plano Básico Ambiental (BPA), uma das condicionantes para a concessão do licenciamento ambiental da BR-163, cujo asfaltamento foi concluído no início deste ano.

O BPA prevê o repasse anual de recursos do governo federal para os Kayapó por meio do Instituto Kabu, criado e administrado pelos próprios indígenas. "Para a gente manter a floresta em pé a gente precisa da renovação do BPA. É um direito dos povos indígenas. Já estamos há três meses sem pagar os funcionários, e os recursos que temos só mantêm as bases de fiscalização funcionando até o fim de agosto. Em setembro vamos ter que fechar as bases, e os madeireiros e garimpeiros já estão no entorno das TIs, só esperando para entrar e destruir”, afirma Doto Takak-Ire, liderança da TI Mengkranoti e relações públicas do Instituto Kabu.

Povo Suruí interditam BR-153 por 10 horas

Também no dia 18 de agosto, indígenas do povo Suruí interditaram por cerca de 10 horas a BR-153, localizada no município de São Geraldo do Araguaia, no sudeste do estado do Pará.

O protesto ocorreu devido ao não cumprimento de um acordo firmado pela Prefeitura do município, no qual estabeleceram a realização de obras nas aldeias da TI Sororó. A prefeitura deveria construir, segundo o acordo, postos de saúde, caixa d´água, serviço de iluminação, pavimentação de estradas e a instalação de um viveiro de peixes.

A ação resultou no reagendamento para o início da obra no dia 25 de agosto.

Assista ao vídeo de entrevista Cacique Doto Caiapo ao portal Jornal Folha do Progresso:


 

 

 

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza