RJ: Moradores de Campos dos Goytacazes fecham a RJ-180 em protesto contra falta de atendimento médico e ônibus

Moradores do distrito de Dores de Macabu e da localidade de Quilombo, em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, fecharam na manhã do dia 20 de agosto a RJ-180, que é o principal acesso da região à rodovia BR–101. Os moradores exigem a abertura do posto de saúde de Quilombo e Dores de Macabu, além de uma solução para a falta de ônibus na localidade.

Os manifestantes atearam fogo em pneus e galhos, impedindo o trânsito de veículos em ambos os sentidos, interditando a RJ-180, que liga Campos a Quissamã. Eles reclamam do descaso por parte da prefeitura que, procurada pela imprensa, não se manifestou. "Estamos sem assistência médica e sem transporte. Estamos abandonados", desabafou revoltado, um morador da localidade em uma rede social.


Moradores de Dores de Macabu e da localidade de Quilombo, em Campos, fecham RJ-180 em protesto contra unidade de saúde fechada e paralisação de empresa de ônibus. Foto: Reprodução

Trabalhadores da viação Cordeiro cruzaram os braços em protesto por atraso em pagamento

Na manhã do dia 19 de agosto, funcionários do autoviação Cordeiro, no município de Campos, paralisaram as atividades em protesto contra atraso no pagamento. Pela manhã, motoristas e cobradores permaneceram em frente à garagem, buscando uma resposta da empresa.

É a primeira vez que profissionais desta empresa se rebelam em busca de seus direitos por conta própria. Em outros tempos, eles só paralisavam quando funcionários de outras empresas iniciavam algum tipo de manifestação. As linhas Dores de Macabu e Ponta da Lama ficaram sem ônibus. A informação é do portal Transporte Coletivo Campos dos Goytacazes (TCCG), que monitora o transporte público do município. Até o momento não há informações sobre posicionamento da empresa.


Trabalhadores da empresa Cordeiro cruzam entrem em greve exigindo pagamento de salários. Foto: Reprodução/Portal Transporte Coletivo Campos dos Goytacazes.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin