MG: Famílias camponesas do Quilombo Campo Grande são covardemente despejadas por policiais durante pandemia 

A- A A+

Mais de 450 famílias camponesas foram covardemente expulsas na madrugada do dia 12 de agosto, do acampamento Quilombo Grande, localizado no município de Campo do Meio, região sul de Minas Gerais. A operação violenta foi comandada pelo 64º Batalhão da Polícia Militar (PM) do governo do reacionário de Romeu Zema (partido Novo), e terminou com dezenas de pessoas feridas.


Famílias resistem por 56h contra truculenta ação de despejo. Foto: MST

A ação contou com um grande aparato de viaturas, além de policiais de outras cidades. Conforme afirmaram os acampados, os policiais invadiram as casas quebrando portas e janelas. O ataque da tropa de choque começou pela Escola Popular Eduardo Galdeano, quando os agentes a interditaram antes de começar a ação de despejo dos camponeses. No dia anterior ao despejo, a polícia rondou o acampamento com viaturas e drones, intimidando as famílias. 

Ativistas denunciaram ainda que viaturas e drones vinham rondando o acampamento e grande parte do município de Campo do Meio desde o dia 30 de julho, quando mais de 20 policiais invadiram casas e levaram o camponês Celso Augusto, conhecido como Celsão que foi liberado no mesmo dia, segundo denunciantes a ação foi realizada sem mandado. 

No dia 13 de agosto, de acordo com denúncia do movimento, a PM ateou fogo no acampamento para expulsar os camponeses.


Incêndio criminoso sobre o Quilombo Campo Grande em meio ao despejo. Foto: Banco de dados AND

Uma ativista denunciou que a ação de despejo não tem amparo legal e foi decidida por um juiz local. “Mesmo sendo de conhecimento de todos a manobra corrupta foi feita por um juiz local e nenhum órgão público conseguiu interceder para que as famílias ficassem em suas casas, mesmo no meio da pandemia. Mas nós aprendemos sempre a voltar mais fortes. E eles podem esperar, vai ter retorno. Essa terra é nossa por direito e não abrimos mão de nenhum centímetro dela”, relatou. 

Em 14 de agosto se registrava 56 horas de resistência, acompanhada manifestações de apoio e solidariedade. Neste mesmo dia se efetivou o despejo.

Os camponeses seguem em luta, e cinco dias após o despejo realizaram uma manifestação em frente a prefeitura de Campo do Meio para exigir testes de Covid-19 e controlar a contaminação pela doença no território. Ato prosseguiu em frente às lojas Zema onde os manifestantes levavam cartazes denunciando o descaso e covardia do velho estado.


Camponeses protestam em frente a prefeitura exigindo testes de Covid-19. Foto: MST

Histórico de luta na área

O acampamento é alvo de sucessivos ataques do governo do estado na tentativa de retirar os camponeses, ele está localizado em uma área de 3,6 mil hectares que o latifúndio Companhia Agropecuária Irmãos Azevedo (Capia) reivindica como sua. A companhia leva o sobrenome de uma das mais influentes famílias de latifundiários da região, envolvidas em vários crimes ambientais e disputa agrária. 

A empresa utilizava as terras para a monocultura de cana de açúcar e produção de álcool, e fechou em 2002 dando calote, não pagando os direitos rescisórios dos seus mais de mil trabalhadores.  

“São 22 anos de conflito e resistência no território, lidando com pistoleiros, a mando de Jovane de Souza Moreira, após enfrentar cinco despejos, em diferentes, áreas as famílias conhecem o caminho para retornar com mais força e conquistar a terra. Na área, estava em construção um polo de conhecimento e tecnologia em agroecologia”, denunciou uma ativista ao portal Extraclasse. 

As famílias do Quilombo Campo Grande ocupam o terreno desde 1998 e são produtoras de leite e café de forma sustentável. Na última safra, as famílias produziram mais de 9 mil sacas de café, 60 mil sacas de milho e 500 toneladas de feijão. Além de uma diversificada produção de hortaliças, verduras, legumes, galinhas, gado e leite. Ao longo desses anos também foram construídas parcerias com organizações e instituições da região que incentivaram a produção, o fomento da educação popular e a melhoria de infraestrutura para as famílias.














NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza