Chile: Preso político mapuche tem suas exigências atendidas após greve de fome

A- A A+


Mapuche marcham em Caracautin contra o velho Estado chileno. Foto: Matiarias.ca.

O machi, ou autoridade espiritual mapuche, Celestino Córdova, condenado a 18 anos de prisão pelo suposto homicídio de um casal de latifundiários, suspendeu no dia 18 de agosto a greve de fome que fazia há 107 dias após conquistar do velho Estado chileno o direito de cumprir a pena em seu território, além de outras exigências. Tal mudança só foi atingida após uma intensa e combativa mobilização popular pela liberdade dos presos políticos mapuche em todo o Chile.

Córdova, preso injustamente em 2013 após supostamente incendiar uma fazenda, o que teria causado a morte de um casal de latifundiários ligados ao assassinato de um jovem mapuche, exigia o direito a visitar sua rewe — território que combina casa e espaço cerimonial, onde fica seu totem sagrado — para renovar ali sua energia espiritual, e para cumprir sua sentença perto de casa.

Ele se encontrava hospitalizado devido ao seu frágil estado de saúde pela greve de fome, na qual só ingeria líquidos, e agora poderá cumprir a pena em um Centro de Educação e Trabalho na cidade de Temuco, capital da região de Araucanía, com menos restrições do que em um presídio comum.

Além disso, terá autorizada sua saída para a sua rewe, "que poderá se estender a um máximo de 30 horas e que se sujeitará às condições impostas pelas autoridades sanitárias e penitenciárias", dizem os representantes do velho Estado. O direito foi conquistado depois que Córdova disse que aprofundaria a greve, deixando de consumir líquidos, o que lhe daria poucos dias de vida.

O acordo acrescenta que uma dezena de mapuche, também presos, e que faziam greve de fome em apoio a Córdova, não sofrerão qualquer represália pelo protesto. Eles também exigiam cumprir prisão domiciliar enquanto durasse a pandemia, o que foi negado pelo velho Estado.

Em apoio a Córdova, indígenas mapuche ocuparam vários prédios municipais no início do mês de agosto, antes de serem reprimidos pela polícia ou grupelhos a mando do latifúndio, que inclusive gritavam injúrias racistas, capturadas em vídeo. A desocupação gerou confrontos com as forças de repressão, resultando em duas prefeituras incendiadas em La Araucanía, as de Ercilla e Traiguén.

Uma semana antes da conquista de suas exigências, Córdova divulgou uma carta de despedida caso viesse a morrer, na qual escreveu que seria "um orgulho dar a vida pelo meu povo Mapuche”. O velho Estado chegara a considerar alimentá-lo à força, com medo da repercussão que sua morte poderia causar nas massas populares.

Democratas defendem a libertação dos presos

No dia 16 de agosto, quase 20 veículos de imprensa independentes e figuras democráticas se uniram para uma transmissão conjunta em defesa da libertação dos presos políticos mapuche sob a palavra de ordem: Eles são lutadores, não terroristas! Nessa ocasião, seis apresentadores expuseram em detalhes a situação da greve de fome dos presos políticos mapuche dos cárceres de Angol, Tebu e Temuco. Entre os oradores estava Daniela Sierra, advogada, ativista e membro da família de um prisioneiro político, que está atualmente sob prisão domiciliar aguardando julgamento por acusações que dizem respeito a ações democráticas realizadas em apoio aos grevistas.

Segundo Daniela, a greve de fome surge porque todas as vias legais foram esgotadas: "A greve põe em risco tudo o que o prisioneiro têm, quando já esgotaram todas as vias legais internas, quando cada lampejo de justiça já foi violado por eles; quando os tribunais, os promotores, os Carabineros [polícia militar chilena] agiram em coordenação para montar [julgamentos] e condenar aqueles que estão em greve de fome sem provas. É por isso que esta última saída, que é a greve, permanece". E prossegue: "Temos dentro dos grevistas aqueles que foram condenados a 21 anos de prisão, a 15 anos de prisão".

A maioria dos grevistas da prisão de Angol ainda não foi condenada e não seria surpreendente que o Estado buscasse tornar suas penas muito altas também, pois desta forma o Estado procura calar, silenciar os mapuche que buscaram ativamente o caminho da luta. Porém, aponta Daniela: "Mas ela [tal ação do velho Estado] gera seu oposto, seu contrário, e hoje temos uma campanha muito maciça, muito ampla, muito generosa de apoio à greve de fome que está ocorrendo na prisão de Angol”.

Sobre a exigência dos grevistas, ela afirma que eles não reclamam a modificação de suas sentenças judiciais - como os ministros, o velho Estado e o governo de turno têm dissimulado. De acordo com a advogada, eles solicitam - mantendo a sentença dos tribunais de justiça - o cumprimento dessa sentença de forma alternativa, como já é indicado na Convenção 169, e pelos meios que tanto a lei processual penal quanto a lei penitenciária existente permitem.  Ela coloca ainda que é uma obrigação do velho Estado e do governo de turno atender a este pedido e que a greve de fome só faz acelerar a “roda da história”.

"A dureza do governo também está relacionada a isso, pois sabe que as próximas batalhas legais, processuais e carcerárias serão as dos prisioneiros que vierem, os prisioneiros da revolta. Porque, como presos políticos, eles também exigem e requisitam outras condições prisionais e outras condições de cumprimento em sua condição de presos políticos", arrematou Daniela. 

‘A alimentação forçada é uma tortura’

Sobre a alimentação forçada dos grevistas, ela coloca que o velho Estado argumenta que sua preocupação é com a vida dos presos; entretanto, se o velho Estado estivesse preocupado com a vida do condenado, deveria aplicar a lei e lhe ceder o que exige. “Essa é a maneira de defender a vida do grevista".

"A forma de defender a vida do grevista não é através da alimentação à força. A alimentação forçada é uma tortura. Quando os tribunais de justiça dão as mãos ao governo e cedem a alimentação forçada aos que hoje estão em greve, eles estão permitindo que corpos fracos, muito fracos, sejam torturados, sejam maltratados, argumentando que estão defendendo a vida”, diz Sierra.

"E esperamos, como parentes dos presos políticos, que os médicos, que a guilda dos médicos não se comportem como torturadores. Porque embora os tribunais tenham concedido a alimentação forçada, e a polícia do exército tenha muita experiência em tortura, ela pode perfeitamente levá-los, maltratá-los, espancá-los e levá-los ao hospital pela força, esperamos que os médicos não se comportem como outros torturadores; que não se comportem como fizeram durante o governo da junta militar fascista, onde deram as mãos com os torturadores do estado para punir e até mesmo produzir a morte de outros manifestantes anteriores. Esperamos que o médico se comporte como deve: se tiver que salvaguardar a vida e a saúde dos grevistas que chegam aos hospitais pela força, ele deve respeitar a autonomia e a decisão, consciente e voluntária, dos grevistas de hoje, de defender a justiça, de defender que a justiça seja aplicada não só em suas causas [daquele preso político em específico], mas também em causas futuras, pois os presos políticos continuarão a existir. Os prisioneiros de Angol são sérios e responsáveis no que estão propondo".

A advogada termina afirmando que "os 105 dias de greve de fome de hoje são fidedignos, verdadeiros. As condições de saúde em que eles [presos políticos mapuche] se encontram são extraordinariamente preocupantes. Eles perderam 30 quilos e mais. Não sabemos como seus órgãos estão hoje e não sabemos como seus corpos irão agir após tantos dias de greve de fome. "Se o ministro quer salvaguardar a saúde e a vida dos grevistas, deixe-os sentarem com os porta-vozes e esteja pronto para aplicar a lei em vigor".


Cartaz dos presos políticos mapuche em greve de fome.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza