Após possível sabotagem, explosão em gasoduto deixa a Síria completamente sem luz

A- A A+


Bombeiros sírios trabalham para apagar as chamas da explosão em um gasoduto atingido perto da capital Damasco. Foto: AP

A Síria ficou completamente sem luz na noite do dia 23 para 24 de agosto, após um possível ataque a um gasoduto entre as cidades de Al-Dhumayr e Adrana, perto da capital Damasco. A agência de notícias do governo do país, Sana, citou o ministro da Eletricidade, Zuhair Kharbotli, que disse que uma explosão na estrutura “levou a um apagão de eletricidade em toda a Síria”.

O ministro do petróleo, Ali Ghanem, referiu-se à causa do blecaute como um “ataque terrorista”, porém não forneceu mais detalhes sobre a questão. 

Kharbotli afirmou que esta é a sexta vez que o gasoduto atingido é alvejado, o que corrobora a suspeita de um ataque. Poucas horas depois, o incêndio foi controlado e a eletricidade, restaurada. A Sana publicou imagens de um grande incêndio noturno que disse ter sido causado pela explosão, além de fotos de um gasoduto muito danificado, faltando pedaços. 

CASOS DE SABOTAGEM CONTRA A PRODUÇÃO DE ENERGIA SÍRIA

Em dezembro de 2019, três instalações de petróleo e de gás natural administradas pelo governo de Bashar al-Assad foram atingidas em um ataque de drones, na porção central do país, incluindo a grande refinaria de petróleo da cidade de Homs. Em janeiro de 2020, bombas que haviam sido plantadas debaixo d'água, na costa do país, explodiram e danificaram várias instalações usadas para bombear petróleo para uma refinaria. Em nenhum desses casos, incluindo o mais recente, teve a autoria assumida por algum responsável. 

O gasoduto em questão cobre uma distância total de 1,2 mil quilômetros e transporta gás natural do Egito para a Jordânia, Líbano e para a própria Síria, abastecendo três usinas energéticas no Sul do país, que sofre profundamente com escassez de combustíveis. Isso ocorre principalmente devido às sanções do imperialismo ianque e de seus lacaios, que embargam o país de realizar importações para os territórios do país sob controle do governo de Assad, enquanto que, no norte do país, os campos de petróleo sírios são controlados por paramilitares, em sua maioria curdos, com o total apoio e incentivo dos ianques. 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza