Paraguai: Crianças filhas de dirigentes do EPP são assassinadas por 'força-tarefa'

A- A A+


Imagens projetadas por agentes do velho Estado paraguaio em uma conferência de imprensa sobre o EPP, nelas constam fotos de um dos filhos recém nascidos de Liliana Villalba. Foto: Pantalla.

Agentes do velho Estado paraguaio anunciaram que, no dia 3 de setembro, a Força Tarefa Comum (FTC, unidade criada para enfrentar o EPP, formada por setores policiais e Forças Armadas) assassinou duas meninas, uma de 11 anos de idade e outra de 12, durante um enfrentamento com o Exército do Povo Paraguaio (EPP). Elas estavam no momento do confronto porque queriam estar com seus "pais perseguidos" para comemorar um aniversário e foram mortas. A matança ocorreu na cidade de Yby Yaú,  ao redor de um acampamento localizado na fronteira dos departamentos de Concepción e Amambay, perto do morro Sarambí.

As meninas assassinadas são Aurora e Liliana, uma é filha de Osvaldo Villalba e Magna Meza, enquanto a outra é filha de Liliana Villalba, dirigentes do EPP. Uma delas recebera seis impactos de bala, a outra dois.

A primeira divulgação do assassinato o exaltava como um “grande feito” da FTC e o presidente da República, Mário Abdo Benítez, chegou a fazer um elogio ao trabalho de sua equipe, logo em seguida foi até o local do confronto, onde postou uma foto com uma arma na cintura. 

Entretanto, ao ver que se tratava do assassinato de duas crianças, o governo de turno tentou mentir a idade das meninas e alegar que tinham entre 15 e 18 anos. Não obstante tamanho cinismo, os comandantes da operação as vestiram com fardas do EPP (na tentativa de as enquadrar como guerrilheiras e as criminalizar) e as cobriram com terra (alegando perigo de contaminação por coronavírus).

Genoveva Oviedo Brítez, irmã de Alcides Oviedo, através de sua conta no Facebook, a mulher disse que as meninas tiveram que deixar seu local de nascimento e adotar outra nacionalidade para escapar da perseguição.

"Mário Abdo, você pisa no cadáver de duas crianças e as enterra rapidamente procurando cobrir seus crimes com terra". Você não matou combatentes de mil batalhas ... Você matou crianças. Não pode haver nada mais doloroso, nem mesmo a morte, do que o mau trato do cadáver, nada mais horrível do que privá-lo [o cadáver] da despedida daqueles que o amam", diz parte da escrita.

Além disso, ela exige que a família possa dizer adeus às mortas e recuperar seus corpos que são "muito mais valiosos do que todos aqueles militares e policiais que as colocaram de joelhos e as executaram".

"Em seguida, eles passaram algum tempo procurando roupas adequadas para apresentá-las à imprensa faminta. Elas não eram líderes [...]. Não eram os corpos de Magna Meza, nem de Liliana Villalba. Não!", exclamou.

Ela exigiu que os corpos das adolescentes recebessem o funeral que merecem e que fossem mandados embora para que pudessem descansar em paz. Em seu posto ele fez uma comparação do que foi a luta entre Aquiles e Hector, da mitologia grega, onde este último foi derrotado. Seu corpo estava em exposição até que seu pai, o Rei Priam, implorou a Aquiles que o devolvesse para um funeral adequado.

"Uma paz que em sua curta, heróica e ilustre vida não lhe foi permitida por aqueles que insistem em defender o indefensável", escreveu ela, em referência à perseguição que as jovens sofreram em sua curta vida, tendo de fugir de cidade em cidade, país em país.

Daisy Irala, advogada de Carmén Villalba - prisioneira em Buen Pastor - e amiga e colega de Myrian Villalba, afirmou que as identidades das falecidas são María Carmen Villalba, nascida em Clorinda, Província de Formosa, Argentina, em 5 de fevereiro de 2009, e Lilian Mariana Vilalba, nascida em 28 de outubro de 2008. 


Redes e roupas de combatentes do EPP encontrados no acampamento em que as adolescentes foram assassinadas pela Força Tarefa. Foto: Cedida ao UltimaHora.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza