África do sul: Trabalhadores da saúde protestam contra podridão do Estado e más condições de trabalho

A- A A+


Dezenas de trabalhadores sul-africanos da área de saúde protestaram contra as más condições de trabalho, em Pretória (capital), no dia 3 de setembro. Foto: Themba Hadebe/Associated Press.

Dezenas de trabalhadores sul-africanos da área da saúde protestaram contra as más condições de trabalho, em Pretória (capital), no dia 3 de setembro, e denunciaram os crimes do velho Estado contra o povo durante a pandemia do coronavírus, na corrupção durante a compra de Equipamentos de Proteção Individual (EPI).

Os manifestantes marcharam em frente aos escritórios do Presidente Cyril Ramaphosa nos Edifícios da União, erguendo cartazes e entoando palavras de ordem, devido a diversos escândalos relacionados a compras de EPI pelo velho Estado.

A porta-voz do Presidente Cyril Ramaphosa, Khusela Diko, inclusive, renunciou após compras irregulares à empresa de seu marido, que cobrou mais de cinco vezes o valor regulamentado para máscaras cirúrgicas e desinfetantes.

O ministro da saúde da província de Gauteng, Bandile Masuku, também foi obrigado a renunciar devido a alegações de que ele estava ligado à aquisição irregular de equipamentos de saúde. A Unidade Especial de Investigação do país disse que atualmente está investigando mais de 20 casos de corrupção relacionados com os contratos de fornecimento de equipamentos de saúde ao velho Estado.

Entre outras exigências dos trabalhadores (as mais básicas) estão que os trabalhadores que apresentarem resultados positivos para a Covid-19 não devem ser forçados a trabalhar até que tenham se recuperado completamente, de acordo com denúncias de que alguns gerentes forçaram os trabalhadores a voltar ao trabalho antes mesmo de terem terminado a quarentena obrigatória ou o tempo de isolamento.

Eles também exigiram ser informados sobre o número de novos casos de COVID-19 nas unidades de saúde, informação a qual são privados pelas gerências dos hospitais, e exigiram que os trabalhadores que exercem a profissão em meio à pandemia sejam pagos de acordo com os riscos que isso apresenta.

Diante disso, eles colocam que se tais exigências não foram cumpridas, 200 mil trabalhadores públicos entrarão em greve no dia 10 de setembro.

Como o coronavírus afetou a África do Sul?

A crise sanitária da pandemia do coronavírus (e todas as ingerências do establishment em geral relacionadas a ela, agravadas ainda pela crise econômica) já ceifou a vida de mais de 14.300 pessoas na África do Sul, de acordo com dados oficiais. A África do Sul registrou 630.595 casos positivos de Covid-19, o mais alto da África, e o sexto maior do mundo. Mais de 27.300 trabalhadores da área de saúde deram positivo para a doença e 230 morreram, de acordo com os números oficiais do mês passado.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira