Argentina: Grande marcha exige justiça para jovem morto pela polícia

A- A A+


Marcha em La Plata em rechaço ao sequestro e assassinato do jovem Facundo Castro pela polícia. Foto: Télam.

No dia 3 de setembro, uma multidão marchou no centro de Buenos Aires para exigir justiça no caso da morte de Facundo Astudillo Castro, desaparecido desde abril após uma detenção policial, cujos restos mortais foram encontrados em 15 de agosto. Também houve manifestações em La Plata.

A mobilização começou no congresso argentina, onde os manifestantes se reuniram por volta das 15h30, e marcharam até a Plaza de Mayo, reunindo jovens, ativistas, famílias, manifestantes, entre outros.

Pichações contra o ministro da segurança de Buenos Aires também foram feitas, como Aparição de Berni sem vida! e Morte à Berni, assim como em rechaço ao velho estado e em homenagem à Facundo.

Enquanto isso, em La Plata, parentes de vítimas mortas pela polícia e ativistas também marcharam no centro da cidade em protesto ao brutal assassinato do jovem.

"Agora sabemos que Facundo foi assassinado, que ele não estava perdido", disse um membro do coletivo que organizara o protesto. Ele assegurou que "durante esses meses houve operações para encobrir seu assassinato" e enfatizou que "a polícia, os promotores e o próprio governo da província queriam estabelecer que ele estava perdido e não que havia sido sequestrado e morto pela polícia".

A coluna de centenas de pessoas levantava bandeiras e cartazes denunciando que "O Estado é responsável" pela morte de Facundo.

O sequestro e assassinato de Facundo

O desaparecimento de Facundo Astudillo Castro é o caso que investiga o desaparecimento do jovem argentino de 23 anos depois que ele fora detido pela Polícia da Província de Buenos Aires, em 30 de abril de 2020, por “quebrar” a quarentena estabelecida pela pandemia da Covid-19. A última fotografia conhecida do jovem mostra-o detido pela polícia na frente de uma viatura de placa RO 23360.

Por volta das 13h, já detido pelos policiais, o jovem ligou para sua mãe, dizendo: "Mãe, você não tem ideia de onde eu estou, você nunca mais me verá".

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza