Índia: Dois agentes da reação e um comandante revolucionário são mortos

A- A A+

Guerrilheiros maoistas indianos. Foto: Banco de Dados AND.

Um chefe e um subinspetor da polícia indiana do distrito de Chattisgarh foram mortos, de acordo com a polícia, ao final do mês de agosto. Já o comandante maoista do Exército Guerrilheiro Popular de Libertação (EGPL) fora capturado, torturado e morto após ser internado em um hospital para o tratamento de uma enfermidade, no dia 3 de setembro.

No dia 31/08, foi encontrado o corpo de um subinspetor assistente de 59 anos de idade que desapareceu enquanto viajava para sua aldeia no distrito de Bijapur. A polícia suspeita que ele fora morto pelos guerrilheiros maoistas.

Também, o corpo de um chefe da polícia que havia deixado seu acampamento em 28/08 sem informar ninguém foi encontrado no distrito de Dantewada, em Chhattisgarh, no dia 1° de setembro, disse a polícia. A polícia afirma que um panfleto do Comitê da Divisão Oeste de Bastar do PCI (Maoista) foi encontrado perto do corpo de Kaneshwar Netam (32 anos), assumindo a responsabilidade pelo assassinato. 

Netam entrou em serviço no acampamento de Bodli (vilarejo) no dia 25/08. Ele deixou o acampamento na noite de 28/08 alegadamente sem informar ninguém e não retornou.

Comandante moista é preso, torturado e morto após ser capturado em hospital

O PCI (Maoista) desmentiu a versão dada pela polícia sobre as condições em que um comandante teria sido morto no dia 03/09, afirmando que não havia sido durante um enfrentamento, mas sim numa bárbara ação de sequestro, tortura e assassinato do comandante que fora retirado do hospital pelas forças de repressão.

Em declaração no dia 04/09, o Secretário do Comitê Divisional de Bhadradri Kothagudem-East Godavari (BK-EG) do Partido, Azad, disse que o quadro assassinado era Dudi Devalu, conhecido como Shanker da aldeia de Arlapalli, na área de Konta, distrito de Sukma, no estado de Chhattisgarh.

Shanker juntou-se ao EGPL no ano de 2013, foi transferido para Telangana Dalam e subiu para o nível de Membro do Comitê de Área (ACM) e Comandante da Guarda de Proteção do chefe maoista Haribhushan.

Ele foi morto a tiros pela polícia depois de ser preso em 3 de setembro, quando foi a um hospital para tratamento de uma enfermidade. O maoista foi torturado antes de ser morto nas florestas de Devarlagudem -Dubbugudem na mandala de Gundala, de acordo com a declaração. A polícia tem prendido grande número de ativistas do PCI (Maoista), torturando-os e prendendo-os, afirmou Azad.

“A polícia de Telangana tem realizado uma falsa campanha no disfarce de Adivasi (grupos étnicos, povos originários) Sanghalu e Telangana Parirakshana, descrevendo os maoistas como anti-desenvolvimento. Mas o povo sabe bem que os governantes de ideais feudais e as forças capitalistas são os verdadeiros inimigos do desenvolvimento”, coloca. 

Azad convocou o povo nos distritos de Bhadradri Kothagudem e Mahabubabad em Telangana e East Godavari em Andhra Pradesh para um bandh (greves gerais convocadas pelo Partido) no dia 6 de setembro em protesto contra o assassinato de Shanker pela polícia.

Enquanto isso, os membros da família do falecido comandante foram ao local chegaram no dia 04/09 em Chhattisgarh para levar seu corpo ao seu lugar de origem para conduzir os últimos ritos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza