RO: Judiciário a serviço do latifúndio prepara despejo e criminaliza movimento camponês

A- A A+


Imagem ilustrativa. Foto: Reprodução/Resistência Camponesa

O judiciário de Rondônia, em conluio com o latifúndio em uma medida inédita, sentenciou no dia 28 de agosto aproximadamente 300 camponeses do acampamento Nova Conquista, localizada em Jaci-Paraná, a pagarem uma absurda multa de cerca R$ 20 milhões, além de dar aval para despejo da área há mais de 20 anos ocupada.

A área retomada pelos camponeses hoje ocupa o antigo latifúndio conhecido como Fazenda Bom Futuro, cujas terras foram griladas pelo latifundiário Sebastião Conti Neto. 

A sentença final enunciada pelo judiciário de Rondônia favorecendo a família de Conti Neto se dá mesmo com as profundas irregularidades na questão da titulação da posse e as denúncias de violência com as pegadas de Conti e seus colegas de colarinho branco, sendo juridicamente contraditório. 

Somando-se à absurda sentença contra os camponeses, outra medida reacionária imposta de forma inédita foi o fato noticiado pelo jornal reacionário Rondônia Agora, onde consta que a forma definida para identificação e responsabilização dos camponeses foi o uso de CPFs das pessoas que solicitaram através de um advogado o direito de defesa contra o despejo das famílias. Com o uso destes CPFs que constavam em uma lista de procuração que tinha por propósito proteger os trabalhadores, o judiciário, sorrateiramente, criminalizou centenas de trabalhadores visando intimidar aqueles que lutam pela terra. 

Violência contra os camponeses

Durante todo esse período de ocupação e produção na terra, os camponeses tiveram suas casas incendiadas, defenderam-se de invasões da pistolagem e sofreram violência dos mais variados tipos. As violências sofridas pelos trabalhadores envolvem desde tortura a assassinatos. Segundo o jornal Resistência Camponesa, em 2008, durante um Congresso da Liga dos Camponeses Pobres (LCP) de Rondônia e Amazônia Ocidental, foram relatadas torturas perpetradas pelo próprio latifundiário Sebastião. Um camponês afirmou durante o evento que sofreu agressões na região da cabeça e devido a isto ficou totalmente surdo de um dos ouvidos e parcialmente de outro.

O AND, também em abril de 2008, denunciou a invasão de um bando armado com mais de 30 homens ao acampamento. Na época o AND recebeu uma ligação anônima, que relatava uma verdadeira cena de terror: “Os guaxebas invadiram o acampamento Conquista da União na cidade de Campo Novo e dispararam contra as famílias. Vários companheiros estão desaparecidos. Eles queimaram o acampamento e as famílias fugiram apenas com a roupa do corpo, dirigiram-se para a Linha 2, próximo à BR 421. Não temos mais informações, estão falando de possíveis 15 mortes e vários desaparecidos. A fazenda está ocupada pelos pistoleiros”.

Leia mais: Perseguição e assassinatos de camponeses em Rondônia

Grileiros de carteirinha e colarinho branco

O conflito na região já se estende há anos e, ao longo deste período, denúncias de violência não faltam, mas aparentemente nada foi feito para garantir o direito das massas. Mesmo sendo fato conhecido e denunciado que o referido latifúndio tem origem na grilagem de terra.

Ainda em 2008, veio a público em um antigo veículo de imprensa de São Paulo, o Diário - Correio de Marília, uma denúncia de que o ex-senador e ex-ministro da Previdência de Luiz Inácio, Amir Lando, estaria “esquentando” direitos de posse, expressão utilizada para quando um documento falso ganha legalidade. Naquele momento, corriam processos sobre improbidade administrativa contra o ex-ministro.

O jornal traz detalhes: o ato de corrupção teria sido cometido no ano de 1978, quando houve uma abertura de inventário no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), o que habilitou o Conti Neto como comprador da posse. 

A denúncia afirma que o ex-ministro Amir Lando, que havia trabalhado como advogado dentro do órgão e possuía relação com os funcionários, entrou no esquema, pois dominava bem como funcionava o trâmite dentro do órgão. Atuou facilitando, assim, a concessão de mais de 34 mil hectares pertencentes à União para Sebastião Conti Netto, segundo a denúncia. O advogado Odair Otoni, que hoje representa a família na ação de despejo, também aparece nas denúncias.

À época, a Associação dos Seringueiros da União Bandeirantes denunciara que a ação de titulação da posse “teve um desfecho relâmpago de 12 meses” e que não seria possível encontrar qualquer registro de posse anterior, como alegado por Sebastião.

A denúncia na íntegra pode ser encontrada no sítio Imprensa popular.

Outro fato que corrobora com a ligação entre estes referidos agentes do latifúndio e do velho Estado em um criminoso esquema de roubo de terras em Rondônia, foi a denúncia realizada pelo The Intercept em 2016, e a recente operação da Polícia Federal em julho de 2020, em que se desvencilhou um esquema de grilagem de terras coordenado por Antonio Martins dos Santos, o  “Galo Velho”. Na reportagem o The Intercept afirma que Antônio, teria relação com Amir Lando e que este “sempre teve ascendência sobre a superintendência do Incra em Rondônia”.





NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira