Paraguai: EPP captura ex-vice-presidente em resposta a terrorismo de Estado

A- A A+

O ex-vice-presidente paraguaio e latifundiário Oscar Denis foi capturado pelo Exército do Povo Paraguaio (EPP) no dia 9 de setembro, em resposta ao assassinato de duas crianças, uma de 11 e outra de 12 anos, filhas de comandantes do EPP, por uma “Força-tarefa” do velho Estado paraguaio. 

Denis foi capturado em sua fazenda na fronteira entre os departamentos de Concepción e Amambay pela Brigada Indígena de Justiçamento de Carrascos de Fazendas do EPP.

Os guerrilheiros deixaram um panfleto no local que constava: “Que todos os maus-tratos, abusos e injustiças sofridos pelas comunidades indígenas, seja por patrões, administradores, capatazes ou carrascos, latifundiários brasileiros de soja e menonitas que os envenenam e os despejam de suas terras não fiquem impunes. A Brigada Indígena de Justiçamento de Carrascos de Fazendas aplicará a justiça revolucionária. Viva a luta dos pobres!".

Os militares responsáveis pela investigação disseram que entre os guerrilheiros estavam várias pessoas com "características indígenas" e que, como o resto, estavam descalços e vestidos com uniformes de camuflagem.

Os panfletos assim foram encontrados pela primeira vez em 9 de julho de 2019, após um ataque armado a um latifúndio de um brasileiro no departamento de Amambay.

Denis, o político e latifundiário capturado, era uma figura de grande importância política e econômica, tendo sido governador de Concepción, deputado desse departamento, chefe do Partido Liberal e depois vice-presidente do governo de turno de Federico Franco (2012-2013).

Para soltar o carrasco, os guerrilheiros exigem 2 milhões de dólares em alimentos doados para as comunidades dos departamentos de San Pedro, Amambay, Concepción e Canindeyú, e exigem ainda a libertação de prisioneiros de guerra.


Oscar Denis, ex-vice-presidente paraguaio, sequestrado pelo EPP no dia 9 de setembro. Foto: Reprodução.

Crianças filhas de dirigentes do EPP assassinadas pelo Exército reacionário paraguaio. Foto: Reprodução.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira