RO: Camponeses são despejados em tempos de pandemia em Vilhena

A- A A+

No dia 8 de setembro, a Polícia Militar de Vilhena, estado de Rondônia, cumpriu a ordem judicial de despejo, dada pela juíza da segunda vara cível da comarca da cidade, fruto da ação possessória que foi movida contra os camponeses da Associação Novo Canaã. A decisão arbitrária colocou abaixo as benfeitorias (casas, plantação etc.) dos camponeses pobres que viviam nos lotes 75 e 85 (antiga fazenda Vilhena), além de deixar mais de 50 famílias na rua em plena crise sanitária, a maior dos últimos 100 anos. 

Tal decisão contrariou as recomendações das próprias instituições do Estado para o enfrentamento da pandemia de Covid-19, de isolamento social, bem como também foi arbitrária no sentido de que o processo estava repleto de vícios que ferem princípios constitucionais e processuais basilares do ordenamento jurídico brasileiro, dentre eles, o direito ao devido processo legal, ao contraditório e à ampla defesa.


Casas de camponeses são destruídas em meio a pandemia após ordem judicial. Foto: Reprodução Abrapo-RO

Além disso, corre na esfera da justiça federal outro processo que visa cancelar os contratos de alienação de terras públicas do imóvel em questão, ou seja, quer dizer que a dominialidade do imóvel é questionável e não pertence ao fazendeiro, e sim à União, e que deveria consequentemente ser usada para o programa nacional de Reforma Agrária.

A juíza da segunda vara cível da comarca de Vilhena não somente decidiu que uma terra pertencente à União fosse para as mãos do fazendeiro como também, há menos de 12 horas antes de ocorrer a operação de despejo, despachou no processo para que tudo aquilo que os camponeses haviam construído e plantado no local nos últimos cinco anos de ocupação viessem abaixo. E ainda, o referente despacho foi feito às 19h de um feriado! Sendo esta determinação muito próxima ao horário da operação, a equipe jurídica de advogados e advogadas populares não teve mais como intervir no processo.


Despejo ocorrido em Vilhena, Rondônia. Foto: Reprodução Abrapo-RO


Ação injusta autorizada pelo judiciário, destrói casas e produção dos camponeses. Foto: Reprodução Abrapo-RO

A equipe jurídica atuante no processo tentou por todos os meios legais demonstrar o quão absurdo e arbitrário seria o despejo dessas famílias, tanto pela questão de claramente ser uma ação desproporcional do Estado contra trabalhadores em vulnerabilidade social, especialmente, nesse momento de crise e pandemia, tanto porque os vícios do processo são claros e se justiça fosse feita, deveria ser anulada a decisão de entregar a posse ao fazendeiro. 

Os advogados e advogadas populares entraram com diversos pedidos de suspensão da ação de despejo, tanto nos autos principais (que foram terminantemente negados pela juíza sem nenhuma fundamentação coerente) quanto com Mandados de Segurança, a nível de segunda instância, cujos quais sequer foram apreciados pelos desembargadores do Estado. 

Nesta batalha jurídica, a Defensoria Pública do Estado de Rondônia também pediu no processo que a ordem de despejo fosse suspensa, tanto pelos motivos da crise sanitária quanto pelos vícios processuais do caso. Em contrapartida, o Ministério Público, que deveria zelar pela vida e atuar como fiscal da lei, parece ter esquecido suas reais atribuições, e aceitou a decisão da juíza sem se opor as evidentes ilegalidades cometidas.

Neste momento de grave crise social, política, financeira e sobretudo de saúde na qual estamos vivendo, o "fique em casa" se torna cada vez mais privilégio daqueles que podem pagar, seja a sua própria moradia, seja o judiciário corrupto, que ao invés de garantir justiça social e o mínimo de segurança para as populações vulneráveis, dá poder ao agronegócio e garante que o latifúndio seja cada vez mais devastador contra os povos do campo do e da floresta na Amazônia Ocidental.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza