PL 529: mais um vil ataque à educação e ao povo brasileiro

A- A A+

Reproduzimos texto do Centro Acadêmico dos Estudos de Química do IQ/Unicamp (CAEQ) a respeito do PL 529 do Dória e o ataque que representa à autonomia das universidades.


No dia 17/08, o governador João Dória encaminhou à Assembleia Legislativa de São Paulo o PL 5291, mais um vil ataque à educação e ao povo brasileiro. O projeto tem por base o sequestro de cerca de 1 bilhão de reais das reservas das universidades paulistas e da Fapesp[2], além da extinção de cerca de dez entidades estaduais, como a Fundação para o Remédio Público (Furp) e a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU).

[1]Dessa forma, a medida vem na esteira do aprofundamento da economia política neoliberal a nível nacional e utiliza-se da crise agravada pela pandemia e dos seus gastos com saúde como argumento para os desinvestimentos, buscando um suposto equilíbrio fiscal atrativo ao mercado e aos investidores estrangeiros.

Apesar de constituir-se enquanto linha auxiliar na Unicamp da gerência de Dória, até o Reitor Marcelo Knobel manifestou sua oposição à investida do Governo Estadual[3]. Segundo ele e outros dirigentes universitários, além do PL ferir o princípio da autonomia orçamentária das universidades públicas, ela busca ainda transferir para as contas do Tesouro Estadual recursos que na realidade inexistem[4]. Devido ao agravamento da crise econômica brasileira com o avanço da pandemia, aumentando o desemprego e a quebradeira generalizada das pequenas e médias empresas, a arrecadação do ICMS, principal imposto financiador das universidades, despencou[5]. Assim, as universidades já estão com um orçamento bem restrito e o que existe, na realidade, é um déficit fiscal das mesmas[6]

Por outro lado, em um contexto de caos sanitário viral, cuja a presença e ação científica fazem-se tão necessárias, o Governo Estadual, sob a égide de João Dória, ataca covardemente as instituições de pesquisa e a ciência do país, retirando-lhes parte dos escassos recursos que dispõem. Apesar do PL 529 tratar esse dinheiro em caixa como superávit, ele na verdade configura-se como reserva estratégica, através da qual entidades como a Fapesp financia bolsas, pesquisa e projetos de longo prazo[7]. Além disso, é empregado também na atualização de equipamentos e instalações complexas. Em nota, a Academia Brasileira de Ciências (ABC)[8] e a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC)[9] demonstraram seu protesto ao projeto, argumentando que ele retardará o desenvolvimento da ciência e da tecnologia no Brasil, dificultando a superação de desafios como o da atual pandemia de coronavírus. 

Outro ponto de tensão da medida é a extinção da Furp - a maior fabricante pública de medicamentos no país[10] - e da CDHU, um dos principais instrumentos da política habitacional no estado[11]. Apesar de uma atuação limitada, as duas repartições contribuem para um melhora na qualidade de vida do povo trabalhador. Com o fim de ambas, o que se pode esperar é o crescimento do déficit habitacional estadual, que é de aproximadamente 1,16 milhão de moradias segundo dados da própria secretaria de habitação do estado[12], além do aumento do custo de medicamentos indispensáveis à saúde do povo. A fim de preencher esse vácuo deixado, o governo contra-argumentou que buscará impulsionar as Parcerias Público-Privadas (PPPs)[13], com a construção de novos laboratórios e moradias e concedendo ao mercado a responsabilidade sobre temas tão essenciais à vida humana quanto saúde a habitação.

Frente a todo os ataques promovidos pelo Governo, cabe ao movimento estudantil se opor integralmente ao PL 529, lutando nas ruas e nas universidades contra o avanço da medida. O Projeto de Lei de João Dória é mais um ataque a tão débil autonomia universitária, ataques estes que vem sido observados por todo o país pelo Governo Federal, com especial atenção às universidades federais que apresentam um processo de precarização mais avançado e, consequentemente, maior mobilização e luta estudantil. Desde o início do governo de turno fascista de Bolsonaro, só em 2019, houve a intervenção na escolha de sete reitores, metade das universidades federais que tiveram eleições para a reitoria[14] no período. A tentativa de implementação da MP 979, que permitiria ao MEC nomear reitores interventores (pro tempore) e aos reitores nomear os diretores de campi e de unidade sem qualquer tipo de consulta pública, representa ao máximo o ataque à autonomia universitária[15]. O mais recente caso de intervenção, ocorrido este mês, foi a nomeação para a UFERSA[16]

Além dos ataques a autonomia administrativa, a autonomia financeira também é sucateada. O MEC prevê para 2021 um corte de R$ 4,2 bilhões para a pasta da educação, sendo R$ 1,4 bilhão deste total referente a universidades e institutos federais[17]. As reduções serão feitas em setores como água, luz, segurança, limpeza, obras e reformas, realização de pesquisa e assistência estudantil[18], setores essenciais para a manutenção da universidade pública e gratuita. Os cortes vitais servem, mais uma vez, como incentivo direto para que as universidades busquem financiamento na iniciativa privada, como era o objetivo do já derrotado projeto Future-se, que ainda assombra as instituições[19] e incita o fim da autonomia financeira e científica. 

No que tange a assistência e permanência estudantil, vemos a tentativa da Reitoria da Unicamp de aprovar uma proposta de alteração da Deliberação CEPE A 003/201220, que regulamenta a inscrição e seleção dos bolsistas da universidade, com o objetivo de burocratizar e inviabilizar o acesso à permanência estudantil. Não é de se surpreender que os primeiros a serem afetados pelos cortes sejam sempre os estudantes, estes que tem se mostrado a vanguarda na luta em defesa da universidade, protagonizando uma série de manifestações, atos e greves em defesa da universidade pública e científica[21]. A necessidade do isolamento social, advinda da pandemia de covid-19, e a implementação do EaD como medida de precarização direta do ensino (como já apresentado em nosso manifesto: A Tragédia Anunciada do EaD , soma-se a lista de ataques tanto ao caráter científico e gratuito da universidade quanto a mobilização ativa e combativa dos estudantes.    

Como o CAEQ já vem demonstrando, a tendência dos ataques à universidade pública é de fazer-se esgotar cada vez mais sua autonomia, respingando diretamente em seu caráter gratuito e, consequentemente, democrático. Assim, nos colocamos contra o PL 529 em sua totalidade, reafirmando nossa atuação e apoio junto a luta em defesa da permanência estudantil na Unicamp, pela universidade pública, científica, gratuita, autônoma e democrática. 

Abaixo ao PL 529!

Pela justa luta dos estudantes da Unicamp em defesa da permanência estudantil!

Defender a Autonomia, Gratuidade e Democracia Universitárias!

Referências:

1 - SÃO PAULO. Assembleia Legislativa. Projeto de Lei PL 529/2020. Estabelece medidas voltadas ao ajuste fiscal e ao equilíbrio das contas públicas e dá providências correlatas. Disponível em: <https://bit.ly/3b5kIss>.  

2 - Dória pode tirar R$ 1 bilhão da USP, Unesp, Unicamp e Fapesp ainda em 2020. Brasil de Fato. Disponível em: <https://bit.ly/34HbQYQ>. Acesso em: 28 de ago. de 2020.  

3 - Entidades científicas manifestam-se contra Projeto de Lei nº 529. Universidade Estadual de Campinas. Disponível em: <https://bit.ly/3hF3JQj>. Acesso em: 28 de ago. de 2020.

4 - Em nota, Cruesp diz que PL 529 afronta princípio da autonomia. Universidade Estadual de Campinas. Disponível em: <https://bit.ly/32Be0q9>. Acesso em: 28 de ago. de 2020.

5 - Pandemia fez estados perderem 18% de ICMS no segundo trimestre de 2020. Senado Federal. Disponível em: <https://bit.ly/2YJIhC4>. Acesso em: 28 de ago. de 2020.

6 - Pandemia faz USP, Unesp e Unicamp perderem ao menos R$ 1,2 bilhão. Exame. Disponível em: <https://bit.ly/3lALmyr>. Acesso em: 28 de ago. de 2020. 

7 - Manifestação do Conselho Superior da FAPESP sobre o Projeto de Lei 529. Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Disponível em: <https://bit.ly/3b8KzQ4>. Acesso em: 28 de ago. de 2020.  

8 - ABC envia carta a Governador e deputados de SP sobre o artigo 14 do PL 529. Academia Brasileira de Ciências. Disponível em: <https://bit.ly/3ltLwra>. Acesso em: 28 de ago. de 2020.   

9 - SBPC divulga nota contra projeto que retira recursos de instituições de pesquisa de São Paulo. Jornal da Ciência. Disponível em: <https://bit.ly/3lAMCl9>. Acesso em: 28 de ago. de 2020. 

10 - Furp é maior fabricante público de medicamentos do Brasil. Governo do Estado de São Paulo. Disponível em: <https://bit.ly/3b6Wi1G>. Acesso em: 28 de ago. de 2020. 

11 - Acabar com CDHU é pôr fim à política habitacional de São Paulo. Hora do Povo. Disponível em: <https://bit.ly/3gIrHIR>. Acesso em: 28 de ago. de 2020. 

12 - A Secretaria. Secretaria da Habitação do Estado de São Paulo. Disponível em: <https://bit.ly/3hDHiLp>. Acesso em: 28 de ago. de 2020.  

13 - Ajuste fiscal de Dória pode cortar R$ 1 bi de universidades e afetar habitação. Estadão. Disponível em: <https://bit.ly/3jnMQtJ>. Acesso em: 28 de ago. de 2020.  

14 - Bolsonaro já interveio em em metade das universidades federais que tiveram eleições para a reitoria. The Intercept Brasil. Disponível em: <https://bit.ly/2QEAukw>. Acesso em 29 de ago. de 2020.

15 - Medidas de Bolsonaro impõe intervenção do MEC na escolha de reitores. Associação de Docentes da Universidade Federal de Pelotas. Disponível em: <https://bit.ly/31IPEvH>.  Acesso em 29 de ago. 2020.

16 - UFERSA também tem reitora interventora nomeada por Bolsonaro. Universidade à Esquerda. Disponível em: <https://bit.ly/3hIVcf0>. Acesso em 29 de ago. 2020.

17 - MEC deve cortar R$ 1,4 bi de verba de universidades e institutos em 2021. UOL. Disponível em: <https://bit.ly/3lwWDQ3>. Acesso em 29 de ago. 2020.

18 - Reitores dizem que corte previsto para educação brasileira em 2021 pode inviabilizar atividades em universidades federais. Globo. Disponível em: <https://glo.bo/2ENZHXj>. Acesso em 29 de ago. 2020.

19 - Debate conclui: Future-se é um projeto derrotado, mas ainda ‘assombra’ as universidades e o ensino público. ADunicamp. Disponível em: <https://bit.ly/2Dbf7nS>. Acesso em 29 de ago. 2020.

20 - Programa de Bolsas Auxílio do SAE – Inscrição e Seleção de Candidatos. Deliberação CEPE A 003/ 2012 – Proposta de Alteração - Versão 07.07.2020. Disponível em: <https://bit.ly/34LRUUL>. Acesso em 29 de ago. 2020. 

21 - Estudantes se mobilizam nacionalmente para Greve Geral da Educação dia 15. Executiva Nacional dos Estudantes de Pedagogia. Disponível em: <https://bit.ly/31EqDSi>. Acesso em 29 de ago. 2020. 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza