MS: Moradores se organizam e vencer dificuldades na luta contra abandono do governo

A- A A+


Trabalhadores se organizam para resolver problema de falta de abastecimento, após abandono por parte do Estado. Foto: Comitê de Socorro Popular de Dourados/MS

Com os problemas gerados pela crise do coronavírus e tendo como exemplo vários Comitês Sanitários conformados pelo país, divulgados pelo AND, o Comitê Socorro Popular avançou seus trabalhos, em conjunto de um bairro periférico da cidade de Dourados (MS), contra a Covid-19.

Inicialmente, foram produzidas máscaras protetivas e sabão de álcool líquido para distribuir entre os moradores. Foram distribuídos mais de 360 litros de sabão, como também, diversas máscaras e sabão em barra, feito a partir da receita dos moradores, tudo produzido coletivamente.

Com o desenvolvimento do trabalho surgiram alguns problemas cuja solução foi dada pelos próprios moradores. Os dois problemas principais são a manutenção da produção do sabão, necessitando do autofinanciamento para continuar a ser produzido, e a falta de água que assola muitas famílias do local.

Por iniciativa dos moradores, foi construída uma barraca para vender os produtos confeccionados no bairro. Apoiadores e moradores participaram de todas as etapas de preparação do autofinanciamento, desde a produção dos materiais até as vendas. Os materiais produzidos são: jogos de cozinha (capas para eletrodomésticos), máscaras protetivas e produtos de limpeza (sabão de álcool liquido, amaciante, detergente, água sanitária, etc.) e os moradores deram o nome de “Barraca Produção Popular”.


Foto: Comitê de Socorro Popular de Dourados/MS

No balanço, todos saudaram a iniciativa e colocaram que essa primeira experiência foi importante para avançar na prática o autofinanciamento da organização do Comitê. Nos apontamentos foi ressaltado a necessidade de verificar melhor o local para montar a barraca, melhores pontos e abordagens de vendas, o zelo com os produtos, embalagens, etc. Abre-se com o progresso da organização do CSP a expectativa de renda para as famílias, o aumento da capacidade de trabalho do Comitê e até a possibilidade de uma feira livre organizada pelo bairro.


Foto: Comitê de Socorro Popular de Dourados/MS

Sobre a água, é um problema recorrente no bairro. Por se tratar de uma ocupação urbana, a empresa de abastecimento do Mato Grosso do Sul chamada Sanesul, após seguidas lutas do bairro, concedeu apenas uma boca de fornecimento para os primeiros moradores, até que sejam regularizados os lotes pela prefeitura. No entanto, com o aumento de famílias no bairro, a entrada de água existente não comporta todas as casas. Assim, os moradores conseguiram puxar uma mobilização para pressionar a Sanesul, partindo primeiro de um abaixo-assinado e depois conseguiram uma reunião com a empresa que foi fazer uma vistoria no bairro.


Foto: Comitê de Socorro Popular de Dourados/MS

Mesmo sendo nítido a falta de água a Sanesul se isentou do problema e de maneira negligente não solucionou o problema. Os moradores organizaram-se, portanto, para resolver a questão da água “com suas próprias pernas”. Dessa forma, conseguiram a doação com apoiadores de 300 metros de mangueira, compraram conjuntamente as peças para ligar a água diretamente na única boca de água do bairro e enterraram a mangueira na rua, para que as famílias sem água puxassem a ligação para suas casas. Tudo feito coletivamente, provando mais uma vez que com organização o povo consegue resolver seus problemas sem depender do velho Estado.

Ainda existem casas em outros pontos do bairro que estão com o mesmo problema da água, no entanto, temos esse vitorioso exemplo da mobilização popular dando frutos para travar a luta e resolver por fim essa questão. Os moradores tem por reivindicação principal a abertura de outra boca de água para que todas as famílias consigam ter água em suas casas. Com a mobilização e pressão popular, conseguirão vencer mais esta batalha.


Foto: Comitê de Socorro Popular de Dourados/MS

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza