RO: Com medo, polícia intercepta ônibus de camponeses no Manoel Ribeiro

A- A A+

Reproduzimos abaixo notícia do Jornal Resistência Camponesa a respeito de intimidação policial promovida contra camponeses que chegavam ao novo Acampamento Manoel Ribeiro.

A polícia atacou um ônibus fretado por camponeses que se dirigia para o Acampamento Manoel Ribeiro, em Chupinguaia, dia 15 de setembro. O veículo, que partiu de Seringueiras (533 quilômetros (km) de Porto Velho) com dezenas famílias, por volta das 17 horas, foi parado duas vezes na estrada e obrigado a retornar ao município de origem escoltado por quatro viaturas.

Temendo o rápido crescimento do acampamento, que ganha mais força a cada dia, o ataque policial teve por objetivo impedir a chegada de mais camponeses às terras tomadas da antiga Fazenda Santa Elina.

Relatos afirmam que a primeira interceptação contra o ônibus ocorreu no posto da Polícia Rodoviária Federal, quando este atravessava o município de São Miguel do Guaporé, após percorrer quase 40 km de distância.

O veículo, que transportava apenas 30 pessoas, com o objetivo de garantir o distanciamento social e prevenir a transmissão do novo Coronavírus, foi parado pelos policiais e liberado somente após uma demorada revista.

Chegando em Rolim de Moura, 145 km a frente, o ônibus foi novamente parado e revistado. Desta vez, os policiais usaram 4 viaturas, exigiram que as famílias assinassem um documento e obrigaram todos a retornar ao local de origem, acompanhados pelos carros de polícia.

Os camponeses não se intimidaram com a perseguição da polícia e afirmam que irão conquistar seu direito de um jeito ou de outro. Se não deixam o ônibus chegar, irão de moto, de carro etc.

Apesar da perseguição promovida pela polícia contra o Acampamento Manoel Ribeiro e das mentiras da imprensa do latifúndio com objetivo de criminalizar a luta camponesa, a ocupação do latifúndio Nossa Senhora Aparecida avança cada dia mais.

Com quase um mês da tomada, o acampamento recebe todos os dias mais camponeses que querem conquistar seu pedaço de chão para viver e trabalhar.

Camponeses novos que chegam ao acampamento são recebidos e participam das decisões coletivas. Foto: Resistência Camponesa.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza