RJ: Movimento estudantil faz manifestação contra a imposição do Ensino Remoto na UFF

A- A A+

No dia 14 de setembro, marcado pelo início da imposição do ensino remoto aos estudantes na Universidade Federal Fluminense (UFF), a chamada “volta às aulas”, o movimento estudantil mostrou o seu repúdio a precarização e privatização do Ensino através de uma Manifestação na Reitoria da Universidade no campus da cidade de Niterói.

O processo de sucateamento, precarização e privatização que é imposto nas universidades perpassa os diversos governos de turno, e entendendo hoje, o chamado Ensino remoto como parte dessa política vende pátria, entreguista, serviçal do imperialismo, o movimento estudantil não pode cessar a luta mesmo em nos momentos mais atípicos.

Foi denunciado neste ato o Ensino Remoto como uma Laboratório da aplicação do Ensino a Distância (EaD) nas Universidade Públicas, como parte de uma política privatista, há tempos conhecida pelos estudantes e trabalhadores das universidades. 

Foi denunciado também o tamanho descaso que têm a Universidade Federal Fluminense com a questão da assistência estudantil, onde muitos estudantes nesse momento dependem das bolsas e auxílios para sobreviver. A UFF atrasou a entrega de diversos auxílios aos estudantes, sendo que impõe a obrigatoriedade do Ensino para os mesmos, sem lhes dar quaisquer condições. E mesmo que o fosse, ignora totalmente o fato de que muitos vivem com suas famílias e não possuem a infraestrutura adequada para estudo. 

Ao contrário do que muitos pensam, muitos estudantes e trabalhadores da UFF são parte do povo brasileiro. Povo este que vive nas favelas, que tem a vida de seus parentes ceifadas pela falta de saneamento básico e a pandemia do covid, que vive sofrendo com o terror do desemprego. 

Só restou então uma ação que pudessem fazer, que foi a de repudiar a imposição da volta às aulas por meio digital. Os estudantes e trabalhadores entendem que só a luta combativa através dos protestos, da organização em CAS e DAS, da solidariedade a todos que sofrem com as consequências dessa crise econômica é a saída nesse momento.


Estudantes combativos fazem ato contra o Ensino remoto e a precarização da educação. Foto: Comitê de Apoio ao AND de Niterói

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza