Honduras: Milhares protestam contra o desvio de fundos para o coronavírus pelo velho Estado

A- A A+

Manifestantes protestam contra desvio de fundos pelo velho Estado que deveriam ter sido direcionados ao combate do coronavírus. Foto: AFP

Grandes manifestações aconteceram nos dias 11 e 15 de setembro na capital de Honduras, Tegucigalpa, contra o desvio de fundos pelo velho Estado que deveriam ter sido direcionados ao combate do coronavírus durante a pandemia, condenando o povo à morte pela doença. As manifestações foram duramente reprimidas pela polícia reacionária.

No dia 15 de setembro cerca de 1 mil manifestantes haviam se reunido no parque central da capital, no 199º aniversário da “independência” da América Central, quando foram reprimidos por dezenas de policiais de Choque com bombas de gás lacrimogêneo e caminhões que lançavam jatos de água.

Protegidos por escudos, a polícia avançou em direção aos manifestantes que se refugiavam entre os edifícios e contra-atacavam com pedras, deixando seis manifestantes feridos. 

Também, no dia 11 de setembro, milhares de hondurenhos marcharam em protesto na Suyapa Boulevard, no leste da capital, contando com grande presença de médicos e educadores, grupos que sofreram muitos ataques em 2019 com as contrarreformas antipovo levadas a cabo pelo governo de turno que retiraram direitos e fundos das áreas da Saúde e Educação.

Onde está o dinheiro da pandemia?

“Onde está o dinheiro da pandemia?”, diziam os cartazes e faixas das massas em revolta no dia 15 de setembro. O governo havia enunciado em um canal de rádio e televisão alguns dias antes que havia recebido empréstimos de “organizações financeiras internacionais” no valor de 997,7 milhões de dólares, dos quais havia executado 599,5 milhões até 31 de agosto, durante a emergência que começou em março.

Apesar disso, o próprio velho Estado admitiu o saque de fundos públicos através da compra de materiais, equipamentos e sete hospitais móveis a preços excessivos, dos quais apenas dois ficaram prontos e ainda não estão funcionando.

Idosa bate em uma pinhata de um rato com a bandeira de Honduras durante as manifestações. Foto: AFP.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza