Índia: Guerrilheiros aniquilam três espiões da polícia e destroem veículos de empreiteiras

A- A A+

Foto ilustrativa. Fonte: Redspark.nu

Os combatentes do Exército Guerrilheiro Popular de Libertação (EGPL), dirigido pelo Partido Comunista da Índia (Maoista), empreenderam ações armadas e de propaganda revolucionária no fim de setembro. Dentre as ações estão a morte de três espiões da polícia e a destruição de veículos de empreiteiras que exploram o povo da região.

No dia 30/09 dois espiões da polícia foram mortos no distrito de Bijapur, estado de Chhattisgarh, incluindo um antigo deputado Sarpanch [1]. O antigo deputado Dhaniram Korsa foi morto na aldeia de Bardela enquanto Gopal Kudiyam (o outro espião) foi assassinado na vizinha aldeia de Gongla, disse o Superintendente da Polícia de Bijapur Kamlochan Kashyap. Ambas as mortes tiveram lugar nos limites de atuação da estação da polícia de Jangla.

Já no distrito de Sukma, o corpo de umespião da polícia também foi encontrado no dia 23/09, com um panfleto denunciando suas ações e expondo seus crimes, além de afirmar que o comitê do PCI (Maoista) de Jagargunda, um dos com maior atuação da Guerra Popular, foi o responsável pela execução.

No dia 24/09, no estado de Chhattisgarh, cinco veículos de construção foram incendiados na estação de polícia de Mohla, distrito de Rajnandgaon, por combatentes do EGPL, de acordo com o Superintende reacionário da Polícia. Todos os veículos faziam parte da construção de estradas, visando ampliar a atuação das mineradoras na região.

Na madrugada do dia 16, guerrilheiros também atuaram. Um grupo deles fixou um cartaz em campanha contra a administração de grandes burgueses do comércio local de Chaibasa e contra a prefeitura reacionária do distrito Singhbhum Oriental. Além dos três cartazes dessa campanha, outros foram erguidos denunciando as medidas genocidas do governo de turno fascista de Narendra Modi e suas vãs tentativas de combater as profundas relações dos maoistas com os povos originários e camponeses da região.

Os cartazes foram encontrados na parada de ônibus de Chaibasa, no estado de Jharkhand, e no mercado Mangla Haat. Além de denunciar as administrações, eles exigiam a retirada do Plano de Ação de Saranda (medida que afirma ser pelo desenvolvimento das regiões rurais, mas que, na verdade, aprofunda a exploração dos povos locais através de grandes empresas e tenta frear o avanço da guerra popular), além de conclamar a juventude para se juntar na luta pela emancipação dos povos originários e para lutar contra a administração pelos grandes burgueses do comércio local.

No distrito de Kalahandi, em Odisha, dois agentes foram mortos em um confronto com guerrilheiros do EGPL, informou a polícia no dia 10 de setembro. 

Notas:

[1] Um sarpanch ou pradhan ou mukhiya é uma liderança eleita pelo "órgão constitucional" a nível de aldeia do governo autônomo local chamado Gram Sabha (governo de vilarejo) na Índia. O sarpanch, juntamente com outros membros eleitos panchayat (referidos como comissários ou panchayat), constituem o grama panchayat. O sarpanch é o ponto de contato entre os "oficiais do governo e a comunidade do vilarejo" e mantém a sua posição no velho Estado durante cinco anos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza