Bangladesh: Povo toma as ruas em protesto à violência contra as mulheres

A- A A+

Povo de Bangladesh marcha contra estupros e torturas de mulheres na Universidade de Dhaka no dia 05 de Setembro. Foto: Sourav Lasker

Centenas de pessoas tomaram as ruas de Dhaka, capital de Bangladesh, em protesto contra os crimes de estupro perpetrados as mulheres no país nos dias 5, 6 e 7 de outubro, após um vídeo de estupro coletivo ter viralizado na internet.

No dia 7 de outubro, centenas de pessoas, na sua maioria estudantes, marcharam em protesto aos estupros e à violência generalizada contra as mulheres no país, em crescente revolta contra o governo de turno do país e seu descaso com a vida das mulheres do povo. Cartazes com os dizeres Queimem a casa dos estupradores! e Degolem os estupradores! foram vistos na manifestação.

Um dia antes, centenas de manifestantes se reuniram em frente ao Museu Nacional e marcharam até a casa do primeiro-ministro exigindo sua resignação, o acusando de não tomar as medidas necessárias para lutar contra as práticas de estupro e tortura das mulheres. Com cartazes exigindo punição aos estupradores, os manifestantes foram reprimidos pelas forças da repressão, com ao menos dez sendo feridos, a maioria estudantes.

Já no dia 5 de setembro, quando ocorreu o primeiro protesto, manifestantes começaram o protesto bloqueando a intersecção Dhaka-Gazipur por cerca de duas horas, com cartazes e discursos sendo proferidos exigindo punição a todos os estupradores.

Os protestos vêm diante do rechaço do povo à quarta montanha, a da opressão feminina, e os crimes perpetrados diariamente contra as mulheres do povo, após um vídeo de estupro de uma jovem Dalit na índia ter circulado em Bangladesh e diversos membros da juventude do partido eleito de turno de Bangladesh (o partido “Liga Popular de Bangladesh") terem sido presos por estupro coletivo.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza