RJ: Mototaxistas fecham BR-101 com pneus incendiados, após colega de profissão ser assassinado por PM

Familiares e moradores revoltados com assassinato cometido por policial, fecham BR-101 com pneus incendiados. Foto: Reprodução

Mototaxistas e moradores construíram uma barricada de pneus em chama para fechar a pista sentido Niterói da BR-101, na altura do quilômetro 306, próximo ao Jardim Catarina, na cidade de São Gonçalo, no dia 20 de outubro. O protesto foi contra a morte de um mototaxista chamado Smaly Silva, de 24 anos, que foi baleado e morto por um policial militar na noite do dia 17/10 após, segundo a polícia, "não obedecer uma ordem de parada".

Os trabalhadores se revoltaram contra a ação covarde da polícia, sendo que a região já tem um histórico de violência policial. Vários trabalhadores locais já foram assassinados nas mãos dos militares.

A via ficou interditada até o fim da manhã. Policiais do 7º Batalhão de Polícia Militar (BPM) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF) estiveram presentes no local.

Após a chegada do Corpo de Bombeiros os manifestantes foram para outro ponto do bairro, na RJ-104, onde também atearam fogo em objetos e interditaram novamente a via, dessa vez, no sentido Alcântara.

No dia do assassinato, 17/10, os moradores e familiares já haviam feito um ato fechando a via imediatamente após o ocorrido.

Nas redes sociais amigos e familiares comentaram que o homem deixou dois filhos e esposas. Segundo os moradores, ele era inocente e trabalhador.

"Meu filho foi assassinado pelos PMs do sétimo. Ele sempre trabalhou, foi morto na covardia. A única 'arma' era a moto que fazia bico, ele nunca pegou uma arma, assim como eu", escreveu o pai do jovem.

Em resposta a uma declaração da PM de que o rapaz era bandido e estava armado, uma prima respondeu: "Não façam isso, meu primo era trabalhador, menino de família. Mototáxi não é bandido, a 'arma' dele era a moto".

Smaly Silva trabalhava como mototaxista até ser alvejado por um tiro disparado por PM

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza