México: Camponeses tomam represa contra o saqueio da água pelo imperialismo

Camponeses marcham em protesto à entrega dos recursos naturais do México ao imperialismo ianque. Foto: @RicardoMeb.

O monopólio de imprensa ianque The New York Times, em 14 de outubro, publicou uma matéria a respeito da luta dos camponeses pela água do México. Além de mostrar a luta que percorre desde o início deste ano, a matéria também traz à luz a contradição entre os interesses do imperialismo ianque e do povo mexicano sobre o recurso natural do México.

O texto começa falando a respeito do acontecimento do dia 8 de setembro, quando camponeses na cidade de Boquilla, vilarejo no estado de Chihuahua, México, ocuparam uma represa que transfere água do país para o Estados Unidos (USA), depois de expulsarem soldados do local. 

Armados com paus, pedras e escudos improvisados, os camponeses emboscaram os soldados que estavam controlando o local, erguendo a bandeira nacional sobre a represa, a maior do estado, como uma sinal de vitória.

Horas mais tarde, quando três camponeses foram presos sob a acusação de terem roubado armamento dos soldados, uma jovem camponesa pobre em luta pela terra foi assassinada durante a repressão pelos agentes da reação. Pelo menos 17 camponeses foram presos no total, segundo o comandante reacionário da Guarda Nacional.

Jéssica Silva, de 35 anos, a manifestante que foi morta no dia em que os camponeses tomaram a represa de Boquilla, não tinha terra própria. Ela e seu marido, Jaime Torres, arrendavam cerca de 22 acres de árvores de nozes e ajudavam seus pais a cultivar um terreno ainda menor.

A Guarda Nacional atirou várias vezes pelas costas de Jéssica através da janela do caminhão de seu marido. Ele foi ferido, mas sobreviveu. "Ela estava defendendo o que nos pertence", disse seu pai, José Luis Silva.

Em fevereiro, o velho Estado mexicano, encabeçado pelo oportunista Andrés Obrador, já havia enviado centenas de forças federais para ocupar a represa. Os camponeses construíram várias barricadas de saco de areia e de outros objetos, tudo para impedir a perda do território para as forças militares reacionárias; um reflexo do que os camponeses afirmaram ser “uma guerra”, como expôs o monopólio de imprensa El Periódico.

Desde a ocupação da área no início do ano, os camponeses em Chihuahua queimaram prédios do velho Estado, destruíram carros de instituições governamentais e mesmo sequestraram políticos do velho Estado, além de bloquearem durante semanas uma importante linha de trem, responsável por enviar produtos industrializados entre o país ianque e o México, segundo informações do jornal do monopólio de imprensa ianque The New York Times.

Camponeses enfrentam a Guarda Nacional mexicana em defesa dos seus recursos naturais. Foto: @yayatm/ Twitter.

Submissão do velho Estado ao imperialismo ianque

Com uma seca intensa afetando o estado de Chihuahua este ano, o México ficou devendo a sua entrega quinquenal ao país ianque, tendo que entregar mais de 50% de sua taxa anual de água em cerca de semanas.

Tal venda dos recursos naturais nacionais, característica de países semicoloniais como o México, vem com base num acordo de 1944 entre o USA e o México, no qual o México deve prover 430 milhões de metros cúbicos de água para os ianques, partindo do Rio Grande, em contraste aos 1,8 milhões de metros cúbicos que receberiam do país ianque. O acordo funciona sob um ciclo de cinco em cinco anos, onde o México deve providenciar sua parte da água. Caso não cumpra, devido a secas, por exemplo, o que não foi pago é adicionado no próximo ciclo.

O tratado não pune (diretamente) nenhum dos lados por não cumprir com o acordo, mas, submisso econômica e financeiramente aos ianques, o velho Estado mexicano vê como uma das soluções entregar uma quantidade significativa da água que possui em reservatórios, normalmente utilizados por dezenas de cidades mexicanas. Em troca, o México pediu aos ianques que lhe “emprestassem” água potável (logo apenas para o consumo humano) para essas cidades, caso a do México acabe por se esgotar.

Os cientistas que estudam os recursos hídricos da região pontuam, ainda, que a necessidade de água do México cresceu desde a assinatura do Acordo de Livre Comércio Norte-Americano nos anos 90, à medida que mais pessoas se estabeleceram na região de fronteira árida do país e a produção agrícola aumentou para satisfazer às necessidades dos consumidores americanos (não os mexicanos).

A revolta camponesa, por sua vez, acendeu o alarme dos reacionários no USA. O governador do estado do Texas, Greg Abbot, em conversa com o Secretário de Estado, Mike Pompeo, exigiu que ele persuadisse o México a entregar a água até a terceira semana de outubro, caso contrário, a agricultura do Texas teria prejuízos.

O presidente oportunista do México, Andrés Manuel López Obrador, já deixou claro sua submissão ao país ianque, em atos e palavras. Após prometer que vai cumprir com suas obrigações em relação à água, além do envio da Guarda Nacional para Chihuahua, o governo congelou as contas bancárias do camponeses que vivem no local, assim com acusou os pequenos camponeses de serem latifundiários, para confundir as massas do resto do país e deslegitimar a resistência. No entanto, mesmo com o presidente semicolonial insistindo que vai cumprir com seu empreendimento de submissão, cientistas afirmam que é uma tarefa impossível devido à seca.

Para os camponeses, o governo mostrou claro sinal de traição ao povo. “O que aconteceu na represa de Boquilla foi impressionante, porque tiramos nossas roupas de camponês e vestimos o uniforme de guerrilheiros”, afirmou o camponês Velderrain, homem de 42 anos que liderou a ocupação dos camponeses, ao The New York Times.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza