Polônia: Milhares protestam contra ataque aos direitos da mulher ao aborto


Milhares de trabalhadoras saíram às ruas de Katowice, Polônia, para protestar contra uma proposta de lei contra o aborto em 2016. Foto: Andrzej Grygiel/EPA.

Grandes protestos contra uma restrição ainda maior ao direito ao aborto na Polônia irromperam pela quarta noite consecutiva, no dia 25 de outubro, nas cidades grandes e pequenas de todo o país, inclusive em Varsóvia, Gdansk e Poznan. A corte constitucional da Polônia declarara, no dia 22/10, como inconstitucional o aborto de fetos com defeitos congênitos.

Na cidade de Katowice, no dia 25/10, os manifestantes enfrentaram a polícia de choque e cerca de 30 pessoas do “All-Polish Youth”, um grupo de extrema-direita. A polícia utilizou gás lacrimogêneo e reprimiu com agressões as mulheres que participavam do protesto.

Já no dia 23/10, milhares de manifestantes já haviam se reunido próximas à casa de Jaroslaw Kaczynski - liderança do partido católico de extrema-direita do governo de turno do país, chamado “Lei e Justiça” (PiS, na sigla original), sendo que a polícia de choque teve de construir barreiras para impedir o avanço da juventude.

Em outros lugares na Polônia, os manifestantes se reuniram nas grandes praças, fora das sedes do PiS ou perto de igrejas. 

A retirada de direitos não impede o aborto de acontecer

De acordo com dados oficiais, a Polônia, um país de 38 milhões de habitantes, registrou oficialmente em 2019 cerca de 1.100 casos de aborto, a esmagadora maioria dos quais foram autorizados devido a uma má formação irreversível do feto. Entretanto, segundo os movimentos de mulheres, o número de abortos realizados clandestinamente na Polônia ou em clínicas estrangeiras poderia chegar a quase 200.000 por ano.

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin