Em um dia, militares de Israel destroem comunidade palestina inteira

A- A A+

Israel destrói construções palestinas com escavadeiras. Foto: Hazem Bader / AFP

No dia 3 de novembro, forças militares de Israel invadiram a pequena comunidade camponesa de palestinos chamada Khirbet Humsa, no norte do vale do rio Jordão, e destruíram suas casas e meios de vida com escavadeiras e bulldozers, deixando 74 pessoas desabrigadas, das quais 41 são menores de idade.

Os sionistas demoliram 18 construções residenciais, 29 tendas e galpões usados ​​como cercados para gado, três galpões de armazenamento, nove tendas usadas como cozinha comum, 10 banheiros, 10 currais de gado, 23 recipientes de água, dois painéis solares e bebedouros para os animais. Eles também destruíram mais de 30 toneladas de forragem para gado e confiscaram um veículo e dois tratores.

Em um vídeo divulgado pela ONG B'Tselem, um dos palestinos que vivia na aldeia, 'Abd al-Ghani 'Awawdeh, conta: "Os militares israelenses vieram com jeeps e bulldozers. Eles ordenaram que nós esvaziássemos nossas casas e nos deram apenas 10 minutos. Obviamente, não é tempo suficiente para esvaziar uma única tenda. Nós não tivemos tempo de tirar tudo. Eles demoliram com todas as nossas coisas lá dentro".

A comunidade pastoril ficava localizada no norte da Cisjordânia, histórico território palestino, em uma região ocupada por Israel desde 1967 que vive sob controle territorial, social e político dos israelenses. Nessa área, as ameaças de demolição são permanentes, e é praticamente impossível para os habitantes palestinos conseguirem permissão para construírem nela, sendo forçados a emigrar. Essa mesma região está sob ameaça de ser anexada por Israel, segundo os últimos planos anunciados pelo primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que recebeu apoio do Estados Unidos (USA). 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza