Entreguista Paulo Guedes lamenta seu fracasso no plano de privatizações


Ministro Paulo Guedes se diz frustrado por ainda não ter conseguido vender estatais. Foto: Anderson Riedel 

Em declaração dada durante um evento promovido pela Controladoria-Geral da União (CGU), o ministro da Economia, o vende-pátria Paulo Guedes declarou que se sente extremamente frustrado pelo fato de não ter conseguido vender nenhuma estatal durante os dois anos que está no governo de Jair Bolsonaro e dos generais golpistas.

O chicago boy disse que o plano da equipe econômica do governo era de, no mínimo, vender quatro empresas durante o mesmo período. As estatais que Guedes desejava vender são o Porto de Santos, a Pré-Sal Petróleo S.A, Eletrobras e Correios. Com o não cumprimento da meta, o novo prazo para as privatizações passou para 2021.

Guedes deu a entender que vai buscar acordos políticos dentro do parlamento para conseguir aprovar as privatizações tão desejadas pelo capital financeiro imperialista, privatizações que foram promessa de campanha do governo entreguista de Bolsonaro/generais.

Durante a famigerada reunião ministerial do dia 2 de abril, vazada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o sabujo Guedes disse, sobre o Banco do Brasil: "Tem que vender essa porra logo".

As privatizações, embora sejam parte do plano econômico da ofensiva contrarrevolucionária que se iniciou por iniciativa do Alto Comando das Forças Armadas com outras forças reacionárias e que deu no atual governo, são de difícil consecução. Primeiro porque enfrenta resistência de setores das massas populares, contrárias a tais medidas. E, segundo, porque para a fração burocrática da grande burguesia não interessa perder o capital acumulado. Tal briga já divide o governo, cujo maior expoente da fração burocrática é o general e ministro-chefe da Casa Civil Braga Netto.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza