SC: Moradores protestam após policiais assassinarem garoto de 12 anos

A- A A+


Moradores fecham via após garoto ser assassinado por policiais. Foto: Jornal A Verdade

No dia 12 de novembro, moradores revoltados com o assassinato de um menino, conhecido como Naninho, de 12 anos, vítima de policiais, protestaram nas ruas do bairro Costeira do Pirajubaé, em Florianópolis, Santa Catarina. Os familiares e moradores gritaram palavras de ordem contra a Polícia Militar (PM) e colocaram fogo em objetos para fechar uma das vias do bairro.

Naninho foi assassinado por militares no dia 11 de novembro após ser alvejado por dois tiros, um deles na cabeça, na comunidade da Costeira, na capital catarinense. Como de praxe, a polícia acusou o menino de ser traficante, porém, a versão foi desmentida por familiares e amigos.

“Ele gostava de jogar futebol, estava fazendo atividades em casa agora que não está tendo aula presencial, era uma criança dócil, estamos sem acreditar que isso está acontecendo. A minha outra irmã ouviu os disparos, eram muitos tiros, nós descemos de pijama para ver o que estava acontecendo” , contou uma das irmã de Naninho. O garoto sequer tinha antecedentes criminais. "Meu irmão gostava de dormir cedo, era criança na essência, nunca se envolveu com coisas erradas. Gostava de brincar, jogar futebol e com o cachorrinho que ele havia ganhado de um vizinho”, completou a irmã.

Naninho é o terceiro filho que dona Ivanilda perde assassinado por policiais. Em entrevista ao jornal A Verdade, a mulher destacou a importância do ato e mostrou a sua indignação com a violência do velho Estado reacionário: 

“A gente tem que se unir e brigar pelos direitos da gente! Porque é mais fácil a PM matar o filho de um pobre, é mais fácil eles forjar uma criança, e dizer que a criança era um traficante e matar, é mais fácil pra eles!”, desabafou ela.

Depois, dona Ivanilda ainda denunciou que seu filho já vinha sendo ameaçado pelos policiais “Eles iam pra minha casa todo dia, e um deles ainda ergueu a balaclava e falou pro Naninho: ‘Olha bem no meu olho, que nós vamos fazer contigo o que fizemos com os teus dois irmãos', e eles fizeram", completou a mãe. O adolescente morava com a mãe, duas irmãs e uma sobrinha.


Manifestantes protestaram contra a violência policial em Santa Catarina. Foto: Jacson Botelho/NDTV. 

No dia 13 de novembro, outro protesto aconteceu, dessa vez, manifestantes bloquearam uma das faixas da via Expressa Sul em Florianópolis; o protesto começou por volta de 12h com o fechamento do trecho da SC-401 na Costeira do Pirajubaé, no sentido Centro.

Os protestantes utilizaram madeiras e lixo para colocar fogo e impedir a passagem de veículos. Cerca de 40 pessoas participaram do ato. Para liberar a via a PM usou bombas de gás, spray de pimenta e balas de borracha contra os manifestantes, demonstrando novamente a brutalidade utilizada pelas forças de repressão contra o povo.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza