GO: Juiz reacionário promove mais uma tentativa de despejo contra camponeses

A- A A+

Camponeses resistem a pelo menos três despejos emitidos por juiz reacionário. Foto: MST

No dia 10 de novembro, o juiz Thiago Boghi assinou sentença de expulsão das famílias camponesas do Acampamento Leonir Orback, localizado em Santa Helena, estado de Goiás. A decisão proferida pelo juiz apresentava o prazo de 48 horas para a retirada das famílias. O mesmo juiz já havia proferido diversas ordens de despejo contra os camponeses.

Em 08 de junho, o reacionário juiz autorizou uma mega operação contra os camponeses acampados. Nela estavam presentes o Grupo de Patrulhamento Tático (GPT) e o Grupo de Operações Especias (GOE) da polícia goiana, tropas de elite, munidos de armas e drones. A operação tinha o pretexto de realizar uma busca e apreensão de uma adolescente de 15 anos, que não voltou para casa após o Dia das Mães. No entanto, os próprios policiais revelaram, em meio de ameaças aos camponeses, que a invasão era fruto de um processo de despejo.

Outras tentativas de despejo foram barradas no ano de 2016 e 2019.

Leia mais: Camponeses lutam e reintegração de posse é cancelada em GO

Em 2017, o latifúndio promoveu um atentado contra as famílias acampadas. Segundo denúncias pistoleiros contratados pela Usina Santa Helena deram tiros de pistola na direção de famílias. 

Na tentativa de criminalizar a luta pela terra Thiago Boghi já mandou prender quatro camponeses no ano de 2018. Na sentença classificou o movimento como organização criminosa.

Leia mais: Camponês é preso injustamente acusado de integrar ‘organização criminosa' em GO

Histórico do Acampamento

O Acampamento Leonir Orback teve origem quando cerca de 200 famílias em setembro de 2015 promoveu a retomada de um latifúndio de aproximadamente 20 mil hectares da falida usina Santa Helena, que é devedora de mais de 1 bilhão de impostos e dívidas trabalhistas.

Tempos depois mais de 4 mil famílias estavam acampadas no local. Segundo o movimento, os camponeses reivindicam 5 mil hectares.


Campanha promovida pelo Núcleo de Assessoria Jurídica Popular Pedro Nascimento (NAJUP - PN), Faculdade de Direito UFG contra despejos. Foto: NAJUP

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza