PA: Vilarejos fecham Transamazônica por três dias exigindo liberação de água no Xingu

A- A A+

Na manhã do dia 9 de novembro, aproximadamente 150 pescadores, ribeirinhos, camponeses e indígenas Xipaya e Kuruaya dos municípios de Altamira, Senador José Porfírio, Brasil Novo, Anapu e Vitória do Xingu fecharam o quilômetro 27 da BR-230 (Transamazônica) em protesto contra a empresa Norte Energia, responsável pela usina hidrelétrica de Belo Monte (PA), que controla o nível de água na Volta Grande do Xingu, trecho de cerca de 100 km do rio Xingu.


Indígenas, camponeses e ribeirinhos se unem em protesto exigindo liberação de água. Foto: Lilo Clareto/Xingu Vivo

O protesto, que se estendeu até o dia 12/11, exigia a liberação de água suficiente para possibilitar a realização da piracema na Volta Grande do Xingu. Segundo manifestantes, o baixo nível de água em tal trecho impediu a realização desse fenômeno natural nos últimos três anos, fato que vem desencadeando não somente um rápido despovoamento de peixes no local como também uma crise na segurança alimentar e na renda dos que vivem da pesca. O baixo nível de água também compromete a navegação no rio Xingu, prejudicando o fluxo de mobilidade das comunidades locais que já se encontram, além disso, sem acesso à água potável e à energia elétrica.

Tal situação se dá desde maio de 2016, início do funcionamento da Belo Monte, quando as águas antes destinadas às comunidades locais passaram a ser desviadas para as turbinas da hidrelétrica. Entretanto, o problema tomou uma proporção ainda maior este ano devido a pandemia de Covid-19.


Faixa erguida por população conclama: "Água para a Volta Grande! Piracema 2020". Foto: Ana Barbosa/Xingu Vivo

O 'hidrograma de consenso' da Norte Energia

O volume de água demandado pela Norte Energia para movimentar Belo Monte chega a reduzir em 80% a vazão normal da Volta Grande do Xingu. Esse esquema que a empresa queria impor desde novembro de 2019 foi chamado de "hidrograma de consenso". Devido à total inviabilidade de tal proposta, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) emitiu um despacho, no início de 2020, no qual estipula um hidrograma alternativo que não comporta a reprodução da vida da fauna e das atividades que garantem a subsistência das comunidades locais - afirmam manifestantes. Tramita no judiciário processo em que a Norte Energia perdeu em primeira instância, mas recorreu no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), em Brasília.


Protesto contra empresa Norte Energia se estende por três dias. Foto:Mauro Suzuki/Xingu Vivo

Estresse hídrico provocado pela Belo Monte afeta comunidades locais

Ainda neste ano, o rio Xingu enfrentou uma das piores secas das últimas cinco décadas. Em outubro, o volume de água do rio sofreu uma redução de aproximadamente 40% em comparação ao mesmo mês do ano de 2019. Em decorrência disso, muitos igarapés tributários secaram, ocasionando uma mortandade de peixes e provocando uma perda expressiva das roças dos camponeses de Volta Grande do Xingu.

Conforme denunciado pelos camponeses, o estresse hídrico causado pela Belo Monte tem gerado não apenas a morte da fauna e da flora em torno do Xingu, mas também tem afetado a produção de alimentos e a atividade econômica das famílias que vivem da agricultura.

A região de Volta Grande Xingu abarca 23 comunidades e demais etnias indígenas (Kuruaya, Xipaya e Yudjá/Juruna), sendo que duas ainda lutam pela demarcação de suas terras. Essas populações que ali habitam são as que mais sofrem com o atual cenário de calamidade do Xingu provocado pela usina hidrelétrica de Belo Monte.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza