RJ: Manifestação na Cinelândia exige o fim da violência contra a mulher

A- A A+


Movimento Feminino Popular esteve presente no ato e levou uma grande faixa com a consigna Despertar a Fúria Revolucionária da Mulher! Foto: Vanessa Ataliba/Zimel Press/Estadão Conteúdo

No dia 8 de novembro, o Rio de Janeiro, assim como em diversas cidades do Brasil, assistiu a uma manifestação em repúdio à conduta do Ministério Público e do judiciário no caso de Mariana Ferrer, vítima de estupro cujo acusado é um jovem rico. Centenas de jovens e mulheres revoltadas participaram dessa grande manifestação, concentrada na Cinelândia. 

O Movimento Feminino Popular (MFP) participou ativamente da manifestação, propagandeando suas consignas como Despertar a Fúria Revolucionária da Mulher! e Pra mulher se libertar, de toda opressão, só com a luta proletária e a Revolução!

Em contrapartida, os oportunistas utilizaram do fato político para propagandear seu circo eleitoral, e estavam lá todo tipo de personagens já bem conhecidos por suas alianças sujas para conservar esse Estado que nunca serviu a vida das mulheres do povo. 

A manifestação foi convocada nacionalmente contra todo tipo de opressão feminina propagada pelos reacionários mais insolentes e aprofundada pela ofensiva fascista e obscurantista do governo de Bolsonaro e generais.


Milhares de mulheres e homens participaram do ato em repúdio a justiça burguesa e opressora de nosso país. Foto: Comitê de Apoio de Niterói

O Caso de Mariana Ferrer 

O caso de Mariana Ferrer repercutiu nacionalmente devido à baboseira reacionária proferida pelo advogado do acusado, Cláudio Gastão da Rocha Filho, que humilhava a vítima com frases dignas de pelo menos dois séculos atrás. Advogado esse, que tem em seu histórico a defesa das figuras mais indefensáveis, e que, como ele, babam reacionarismo, Olavo de Carvalho e Sara Winter. Claudio Gastão da Rocha Filho, o advogado preferido da horda fascista conseguiu absolver um caso de estupro cometido pelo empresário ricaço ligado à Rede Globo, André Camargo. 

Toda a “defesa” de André Camargo pelo advogado da extrema direita fundamenta-se em fotos de Mariana na internet. Tais “provas” do “estupro culposo” se baseiam no comportamento de Mariana nas redes sociais, e insinua o advogado que uma hora ou outra o estupro aconteceria. Ou seja, a questão do estupro não foi retirada do julgamento, e nem poderia ser, pois houve provas da câmera do local do crime, mas esse foi justificado pela defesa. 


O MFP se coloca na defesa dos direitos das mulheres e pela Revolução de No Democracia. Foto: Comitê de Apoio de Niterói/RJ

Mesmo com as provas que corroboram a versão de Mariana, nesse Estado, o judiciário serviçal das classes de grandes burgueses e latifundiários não faz mais do que interpretar a lei em seu espírito, e por isso fazem o que querem com as amplas massas, e inclusive com as mulheres do povo. O que resta dessa justiça burguesa para as amplas massas é violência e brutalidade. 

O Estado e sua política antipovo 

Isso se comprova quando vemos o número de vítimas de estupro notificados no Brasil. Segundo os dados de Segurança Pública de 2018, as mulheres são vítimas de 66 mil estupros por ano. E se tratam apenas de estupros notificados, porque é necessário apontar que as mulheres do povo não confiam (e nem devem confiar) na polícia e nesse velho Estado, e portanto, há uma notória subnotificação dos casos.

Um dos fatores que impulsiona essa desconfiança das mulheres violentadas para com a polícia se deve a casos de abusadores ou protetores de abusadores se encontrarem nos altos postos, como evidenciou os casos de estupros ou agressões durante a invasão do Exército ao Haiti, no Complexo do Alemão e durante a intervenção militar de 2018, no RJ, além das cotidianas praticadas pela PM.

O MFP denuncia também denuncia um caso semelhante que ocorreu a uma de suas militantes: “Remis Carla, militante do MFP e do MEPR, assassinada covardemente pelo seu ex-namorado em dezembro de 2017, um mês antes de seu assassinato, havia realizado uma queixa em uma delegacia da mulher denunciando as ameaças e agressões do ex-namorado. Entretanto, a polícia foi sarcástica com nossa companheira, chegando a sugerir que ela teria forjado as marcas de agressão em seu braço com tinta de caneta.”

O caso de Mariana Ferrer, portanto, só expressa o que já está visível a todos, a exploração, opressão e humilhação de as mulheres do povo tem que passar nessa sociedade quando ousam denunciar seus algozes. 

Leia mais: Estupro bate recorde e maioria das vítimas é conformada por garotas de até 13 anos

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza