Os planos do USA e Israel para atacar o Irã nos últimos dias da gerência Trump


Manifestantes iranianos queimam bandeiras do imperialismo ianque e de Israel, 08/06/2018. Foto: Ebrahim Noroozi/AP

No dia 12 de novembro, Donald Trump se reuniu com seus conselheiros seniores e questionou-lhes sobre as opções de um ataque contra a principal instalação nuclear do Irã, em Natanz, nas semanas seguintes. Eles o teriam dissuadido, porém, segundo o monopólio de imprensa The New York Times (NYT), "Trump ainda pode estar procurando maneiras de atacar ativos e aliados iranianos, incluindo milícias no Iraque”, buscando opções militares tradicionais e cibernética, uma combinação das duas ou - o que tem se especulado mais provável - ações diretas por intermédio de Israel. 

O cabeça do imperialismo ianque (Estados Unidos, USA) teria convocado os altos funcionários do seu governo um dia depois que o órgão de fiscalização nuclear da “Organização das Nações Unidas” (ONU) informou que o Irã havia armazenado mais de 12 vezes mais urânio enriquecido do que o permitido pelo acordo nuclear de 2015 (rompido por Trump em 2018), relatou o NYT, citando quatro atuais e ex-funcionários do governo.

Uma semana antes dessa reunião com seus conselheiros - incluindo o vice-presidente Mike Pence, o secretário de Estado Mike Pompeo; Christopher C. Miller, secretário de defesa interno e o general Mark Milley, presidente da Junta de Chefes de Estado-Maior -, Trump havia promovido um expurgo no Pentágono (Departamento de Defesa do USA), demitindo o antigo secretário de Defesa, Mark T. Esper, e trocando vários assessores. 

O monopólio de imprensa israelense Times of Israel publicou em reportagem que Israel e o USA estão planejando pressionar o Irã por meio de “operações secretas” e sanções econômicas, previstas para ocorrerem nas últimas semanas do mandato de Trump. A avaliação deles é que o país persa não responderá militarmente antes do final do seu mandato.

Já o Canal 13 da televisão israelense divulgou que as Forças de Defesa de Israel e a agência de espionagem israelense (Mossad) estão se preparando para a mudança na política externa esperada para o mandato de Joe Biden. Prevê-se que Biden, à semelhança da administração de Barack Obama (2009 - 2017), retome o intervencionismo ianque direto (“botas no terreno”) no Oriente Médio e as relações com o Irã, diferente da política de sanções econômicas mortais adotada na gerência Trump; ambas fatais, de formas diferentes.

No início de novembro, o ex-assessor de Biden, Amos Hochstein, disse ao Canal 12 de Israel que voltar ao acordo nuclear com o Irã estava “no topo de sua agenda”.

O HISTÓRICO CONLUIO DO USA E ISRAEL CONTRA O IRÃ

Anteriormente, o imperialismo ianque e seu lacaio regional no Oriente Médio (Israel) já atuaram conjuntamente em ações de sabotagem contra o programa nuclear do Irã. Um desses casos foi, supostamente, a infiltração do vírus de computador Stuxnet para sabotar partes do processo de enriquecimento nuclear do Irã, há uma década. Mais recentemente, Israel foi acusado de ter provocado o incêndio na usina de Natanz, a serviço do USA.

Em 2018, segundo o primeiro-ministro israelense, o genocida Benjamin Netanyahu, o Mossad revelou um vasto arquivo de documentação sobre o programa nuclear iraniano, produto de décadas de espionagem. Israel também foi relacionado a múltiplos assassinatos de cientistas nucleares iranianos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro