Afeganistão: Relatório expõe crimes de guerra de militares australianos, incluindo execução de civis

Soldados australianos na cidade de Tarin Kowt, Afeganistão, 16/08/2008. Foto: John Collins

No dia 19 de novembro, as Forças de Defesa da Austrália trouxeram a público um relatório sobre crimes de guerra cometidos por tropas de elite. Ele inclui evidências de que 25 soldados australianos executaram “ilegalmente” 39 afegãos, entre eles prisioneiros de guerra, camponeses e civis, dentre outras atrocidades cometidas durante o envolvimento da Austrália na guerra de agressão imperialista contra o Afeganistão, dirigida pelo imperialismo ianque desde 2001. 

Segundo o general Angus Campbell, chefe da Força de Defesa australiana, essas execuções sumárias começaram em 2009, e a maioria ocorreu em 2012 e 2013. No total, recomendou-se que 19 soldados fossem indiciados e investigados por diversas acusações, incluindo assassinato. 

Além dos 39 homicídios, o relatório apresenta duas denúncias de “tratamento cruel” (eufemismo para tortura), e aponta que nenhum dos crimes foi cometido durante momentos de batalha. 

A investigação que levou à produção do relatório envolveu mais de 400 testemunhas interrogadas e a revisão de milhares de páginas de documentos. Apenas algumas partes foram tornadas públicas: os nomes dos assassinos, por exemplo, foram ocultados, e só é mencionado que um total de 25 soldados atuais ou ex-soldados estiveram envolvidos como perpetradores ou cúmplices em 23 incidentes separados, com alguns envolvidos apenas uma vez e outros várias vezes.

Segundo a Associated Press, uma das coisas que foi trazida a luz pelo relatório é a prática comum de bleeding (“sangramento”), uma espécie de ritual de iniciação em que novos membros da patrulha atiravam em um prisioneiro para conseguir sua primeira morte.

O relatório evidencia também que os soldados plantavam armas e rádios para corroborar as mentiras do imperialismo de que os prisioneiros eram inimigos mortos em ação, e não covardemente massacrados. Seria de praxe dos soldados australianos carregar regularmente flagrantes como pistolas, rádios e granadas para serem colocadas junto aos mortos, a fim de incriminar civis afegãos como combatentes da Resistência.

O relatório diz que a maioria dos supostos crimes foram cometidos e ocultados em nível de comandante de patrulha por cabos e sargentos, e que, embora comandantes de tropas e esquadrões de alto escalão tivessem que assumir alguma responsabilidade pelos eventos que aconteciam sob seu comando, eles jamais eram culpados. 

“Aqueles que quiseram falar foram supostamente desencorajados, intimidados e desacreditados”, disse Campbell, expondo o já sabido legado de terror da intervenção imperialista. Além da Austrália, Inglaterra e Canadá também enviaram tropas para apoiar a invasão do imperialismo ianque.

O ENVOLVIMENTO SANGRENTO DA AUSTRÁLIA NO AFEGANISTÃO

A participação australiana na guerra de agressão imperialista lançada contra o Afeganistão ficou conhecida como Operação "Slipper", iniciada em 2001, mas que em 2015 passou a ser chamada pelo codinome de Operação "Highroad", e dura até hoje. No entanto, suas ações militares na região do Oriente Médio ampliado também se concentraram no Golfo Pérsico, por meio das Operações "Manitou" e "Acordeão".

O país integrou a Missão de Apoio Resoluto, da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), com mais de 26 mil funcionários australianos destacados para servir no Afeganistão.

A resolução para essa questão, todavia, não se trata apenas de identificar alguns criminosos da guerra imperialista e puni-los pelos ínfimos casos de barbárie que se consegue comprovar nos tribunais da "justiça" burguesa. Enquanto as tropas estrangeiras não forem expulsas do Afeganistão até o último soldado e agente de Estado, o volume de atrocidades cometidas contra os civis, camponeses e moradores das cidades, crianças e idosos, continuará crescente. 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro