PR: Após acidente, indígenas promovem confisco de carga em meio à miséria

Indígenas da comunidade Kaingang, da Terra Indígena Rio das Cobras realizaram confisco popular após tombamento de caminhão. Foto: Reprodução

No dia 11 de novembro, indígenas da comunidade Kaingang, da Terra Indígena Rio das Cobras, localizada entre os municípios de Nova Laranjeiras e Laranjeiras do Sul, no Paraná, realizaram um confisco após um caminhão tombar na BR-277 devido a um acidente. Abandonados, os indígenas se apossaram da carga. Durante a tentativa de repressão da Polícia Rodoviária Federal (PRF), um agente foi ferido e quatro jovens indígenas foram presos. Cinco dias após o ocorrido, em protesto, um grupo de 400 indígenas interditou a rodovia e apreendeu uma viatura da PRF, exigindo que a perseguição à comunidade cessasse.

A comunidade indígena afirmou que o protesto do dia 16/11 foi também contra o Processo Seletivo Simplificado (PSS) do estado do Paraná, previsto para o ano de 2021, no qual a autonomia da educação escolar indígena será restringida e não caberá mais às próprias lideranças da aldeia indicarem quem serão os professores que lá atuarão. Os Kaingang afirmam também que a viatura foi apreendida após a PRF perseguir e atropelar um motociclista dentro da aldeia, que teve escoriações leves. A viatura só foi retomada no dia 18/11, após a mobilização do Grupo de Choque da PRF. 

Escoriações ocasionadas pelo atropelamento de indígena por policiais durante protesto realizado em 16/11. Foto: Reprodução.

PERSEGUIÇÃO INFUNDADA

Ferida em sua arrogância, a PRF, mesmo após a operação do dia 18/11 (na qual foi recuperada a viatura), empreendeu nova operação, no dia 20/11, com o mesmo pretexto. A repressão impôs terror ao povo local, com dezenas de viaturas, dois helicópteros e todo o clima de guerra.

De acordo com Clóvis Brighenti, historiador e professor da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), o velho Estado não só se exime de responsabilidade pelas agressões causadas aos indígenas, como também as trata como se fossem meros casos isolados. Brighenti ainda denuncia a ganância das grandes empresas privadas, que lucram em detrimento da segurança e do bem estar dos indígenas: “Empresas privadas ganham altas somas de dinheiro com pedágios que cortam a estrada”. Ele também destaca que o trecho que fica dentro do território Kaingang é extremamente perigoso e não tem passarela: “Não tem segurança, nenhuma passagem para eles, passarela, nenhuma pista lateral, e é pista simples”.

Ainda segundo Brighenti, “furtos de carga” são recorrentes no país e são praticados inclusive pela própria PRF, no entanto, somente os elos mais frágeis da população sofrem repressão: “Muitas vezes quem saqueia a carga é a própria PRF”, afirma. “Em todo Brasil isso ocorre e, de repente, se voltam contra a comunidade Kaingang, que é o elo mais frágil da corrente”.

No momento, 3,3 mil pessoas - 826 famílias - vivem na TI, que constituem um total de onze aldeias. Segundo Neoli Kafy Olibio, 39 anos, antigo cacique, a cobertura feita pelo monopólio de imprensa piorou a situação nas aldeias, que já se encontravam em clima de insegurança e apreensão. Em relato fornecido ao portal Racismo Ambiental, ele conta que devido às intimidações o povo Kaingang está com medo de sair nas ruas. “A gente vê no Facebook o ódio com relação a nossa comunidade. Meninas aqui já solicitaram acompanhamento psicológico, porque não querem mais sair de casa. Uma me contou que esteve na cidade e os outros começaram a se afastar dela. Um rapaz a chamou de 'marmita de bandido'. Chamam a gente de lixo humano, falam que têm que passar na BR e atropelar, deixar lá, matar. Xingam de vermes. São comentários nesse teor”.

Apresentador-PALHAÇO do monopólio incita ódio e repressão contra indígenas

No dia 17/11, Luciano Alves, apresentador do programa Tribuna da Massa, da TV Naipi (emissora pertencente à família do governador do Paraná, o latifundiário "Ratinho" Júnior (PSD), que é a retransmissora do SBT em Foz do Iguaçu e região) incitou, ao vivo, ódio e repressão contra a comunidade indígena Kaingang,

Após acusar, sem provas, o povo Kaingang de colocar óleo na pista da BR-277 para causar acidentes e saquear motoristas, Alves incitou a repressão policial: “Agora vai ter mais: a polícia pode descer bala. Agora é bala de borracha, é bomba, é gás em cima desses índios. E que sejam punidos. Vocês sabem das regras, vocês não andam pelados, com a cara pintada, não têm aquelas gotas de prato não. Então vocês prestem atenção. Vocês vão para a cadeia. Quadrilha!”.

Ele é um mero funcionário do governador que, por sua vez, é latifundiário proprietário da Agropastoril Café no Bule e de centenas de hectares no Paraná e São Paulo. Durante seu governo, "Ratinho" vem impulsionando o latifúndio na roupagem de agronegócio como afirmou em diversas ocasiões: “O agronegócio paranaense é um setor prioritário para o nosso governo”. Além disso, também alegou que o agronegócio paranaense tem dobrado de tamanho a cada dez anos. 

“Nossa vocação é ser o celeiro do mundo, e nós vamos assumir essa bandeira, nós somos a fazenda do planeta, essa é a nossa vocação e é isso que nós vamos assumir”, disse ele, em reunião no dia 6 de dezembro de 2018, num encontro com latifundiários em Curitiba.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza