RJ: Moradores protestam após crianças serem mortas na frente de casa; família acusa PMs

Emily e Rebeca entram para a lista de crianças mortas por tiros no Rio de Janeiro. Foto: Reprodução

Moradores de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, protestaram na Praça Raul Cortez, no centro da cidade, no dia 6 de dezembro, após duas crianças serem assassinadas quando brincavam na frente da casa da família na favela Barro Vermelho, no bairro Jardim Gramacho.

As primas Emily Victória de quatro anos e Rebeca Beatriz de sete brincavam no portão de casa, no dia 4 de dezembro, quando foram alvejadas por tiros de fuzil. As meninas vieram a óbito no local. Durante o protesto que reuniu centenas de pessoas, entre moradores da comunidade, vizinhos, familiares e integrantes de movimentos sociais, a avó de Rebeca, Lídia Santos, afirmou que chegou do trabalho por volta de 20h e viu policiais militares (PMs) efetuando disparos para dentro da comunidade. Quando chegou ao portão de casa encontrou a sobrinha morta com o cérebro para fora e a neta estirada no quintal de casa com um tiro no abdômen. "Eu cheguei 20h20m do trabalho, saltei do ônibus, vi a polícia atirando para dentro da favela, eles saíram arrancando. Cheguei na porta da casa da minha mãe e encontrei minha sobrinha de quatro anos com o cérebro no chão, ando mais dois metros e vejo minha neta de sete anos com um tiro no coração dentro do quintal da minha mãe, isso é certo?" perguntou a avó.

Moradores e familiares se emocionam durante protesto por justiça, ocorrido no centro de Duque de Caxias. Foto: Aline Cavalcanti/Agência O Dia

A mãe de Emily, Ana Lúcia Silva Moreira, também afirmou que não havia nenhum confronto no momento em que as meninas foram baleadas e que somente os policiais atiraram "Eles só sabem fazer isso, dar tiro. Olhou, dá tiro. Quando percebi, eu só peguei o documento. Porque eu já sabia, minha filha já estava estirada. A minha filha levou tiro de fuzil na cabeça. A minha filha já estava morta. A minha sobrinha deu tempo de correr e morreu ao lado da caixa d'água da mãe dela. Os moradores estão comigo. Não é vereador, não é prefeito, não é governador. São os moradores" disse a mãe indignada.

Ana Lúcia afirmou que vai luta por justiça: "Não somos lixo, minha filha vai ter justiça. Vou lutar por elas, vou até o fim pelos meus filhos, pela minha sobrinha".

As duas meninas foram enterradas no dia 5 de dezembro, no cemitério Nossa Senhora das Graças, também em Duque de Caxias. O enterro ocorreu sob forte comoção. O pai de Emily, que trabalha como pedreiro, ajudou a enterrar a filha. Ele desmaiou diversas vezes durante a cerimônia. Na hora de fechar o caixão o pai desabafou: "É isso aí que a gente leva, ó. Duas crianças, minha filha, minha sobrinha. Tô acabando de enterrar, isso fica aí pra comunidade, pros governadores".

A Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) apreendeu cinco pistolas e cinco fuzis que estavam em porte dos agentes que estavam na região em que as meninas foram assassinadas, para fazer a perícia. Os PMs também prestaram depoimento.


NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin