MG: Povo Kiriri vai lançar seu próprio livro didático (parte 2)

Como crítica (e alternativa) ao material escolar produzido por autores não-indígenas, a aldeia Kiriri do Rio Verde, no município mineiro de Caldas, vai publicar em breve uma  obra didática própria, o Livro dos Saberes Tradicionais do Povo Kiriri do Rio Verde, a ser utilizado na sua Escola Estadual Indígena Kiriri do Acré.

O livro é resultado de um trabalho coletivo de alunos, professores e comunidade da aldeia, com apoio externo de universidades e outras instituições,com participação dos “Mestres Encantados, os Espíritos, que são nossos verdadeiros professores, que nunca nos abandonaram e nos enviam constantemente orientação.”

A coordenação do livro foi feita pelas professoras Roseni Ramos de Souza(também chamada de Rosy Pankaru), formada em História e Magistério Indígena na UNEB (Universidade do Estado da Bahia), atual aluna de Pedagogia na Faculdade Dom Alberto, em Caldas, e sua irmã Carliusa Ramos Pankaru, formada em Letras na UNEB, também liderança da aldeia, casada com o cacique. 

Escola Estadual Indígena Kiriri do Acré. Acré é sinônimo de Rio Verde, no idioma do grupo. Foto: Povo Kiriri

Cacique Adenilson de França Santos Kiriri,e a alegria da terra verde plantada: “(...) a gente sofria de muita sequidão, (...)aqui tem até um cheiro diferente, tudo verde, águas correndo...” Foto: Povo Kiriri

Conta o novo livro:“Nós Kiriri do Rio Verde somos um povo originário da aldeia Kiriri de Muquém de São Francisco, no estado da Bahia. Migramos  para Caldas em 13 de março de 2017, (percorrendo uma distância de 1.600 Km) em busca da melhoria de vida.” Trabalhando juntos em mutirão, os Kiriris agora conseguem colher milho, feijão, abobrinha, pimentão, inhame. E planejam atender com alimentos orgânicos, livres de agrotóxicos, as feiras e mercados da zona  onde habitam, no sul de MG.

Esperando o ritual na Casa da Ciência. Foto: Povo Kiriri

Conta o novo livro: “Somos 65 pessoas em área de 26 alqueires cercada de mata onde podemos praticar nossa Ciência (Tradições)”. As tradições religiosas Kiriris são baseadas no binomio Jurema-Toré; ou seja:consumo da bebida medicinal e psicoativa/alucinógena preparada com a planta jurema e prática da dança circular do Toré, feita ora no terreiro e ora num local secreto dentro da mata, a chamada Casa da Ciência.

Casa da Cultura, que guarda artesanato e funciona como “nossa biblioteca cultural”. Venda de artesanato. Foto: Povo Kiriri

 

Arco e flecha na Gincana no Dia do Índio, 19 de abril. Foto: Povo Kiriri

Leia mais: MG: Povo Kiriri vai lançar seu próprio livro didático

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro