RJ: Prefeitura tenta despejar trabalhadores em meio à pandemia e desemprego


Fiscais da prefeitura levam retroescavadeira para destruir barraquinhas de pequenos comerciantes, na zona norte do Rio. Foto: Banco de Dados AND.

Agentes da Secretaria de Ordem Pública da Prefeitura do Rio de Janeiro despejaram, no dia 8 de dezembro, comerciantes que trabalhavam na região da Estrada Velha, no bairro do Engenho da Rainha, zona norte do Rio de Janeiro. A operação foi montada reunindo um grande aparato repressivo, com fins de intimidar os trabalhadores; estavam presentes além dos fiscais da prefeitura, a Guarda Civil Municipal e a Polícia Militar (PM).

A equipe de AND esteve presente no local, colhendo informações dos trabalhadores e realizando entrevistas. Segundo relatos de moradores, o local era muito deserto e perigoso antes da chegada dos carrinhos de lanches, por conta de assaltos. Com os comércios locais os moradores podem comprar comidas e bebidas mais perto de casa, sem ter que percorrer grandes distâncias. Outro fato é que os pequenos comércios movimentam a economia local, gerando empregos mesmo que informais, salvando várias famílias da total miséria.

A prefeitura deu o prazo de 15 dias para os trabalhadores regularizarem a situação, ou realizará o despejo integral. O problema é que vários desses trabalhadores já tentam há anos a legalização, mas, segundo eles, encontram várias dificuldades como burocracias, atraso e falta de respostas dos governos municipais de Marcelo Crivella e do seu antecessor, Eduardo Paes.

Os trabalhadores ficaram revoltados com a ação repressiva do velho Estado, que esperou chegar o final de ano para deixar várias famílias desempregadas. Os comerciantes ambulantes rechaçaram e criticaram também os políticos que há poucas semanas estavam ali pedindo voto e até agora não apareceram para apoiar a luta dos pequenos proprietários, pelo contrário, mandaram expulsar as famílias trabalhadoras.


Secretaria de ordem Pública expulsa trabalhadores e impede pessoas de trabalharem, no bairro do Engenho da Rainha, na zona norte do Rio. Foto: Banco de Dados AND.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin