Revolucionários de todo o mundo realizam ações nos 200 anos de Friedrich Engels

Revolucionários realizam ato em homenagem aos 200 anos de Friedrich Engels. No cartaz, "Pela reconstituição do Partido Comunista da Alemanha". Foto: Dem Volke Dienen. 

Em todo o mundo, em ocasião do aniversário do chefe do proletariado, Friedrich Engels, nascido em 28 de novembro de 1820, atos, pichações, cartazes e colaços foram realizados em homenagem à data que marca 200 anos de seu nascimento.

Na Europa, revolucionários da Alemanha, na cidade de Wuppertal, realizaram embandeiramentos na cidade, com cerca de 200 bandeiras, portanto o símbolo da foice e o martelo. Durante a noite de 27 de Novembro e madrugada do 28/10, especialmente em Wuppertal-Barmen, onde o chefe do proletariado internacional nasceu, foram colocadas as bandeiras pelos revolucionários, em bairros proletários, pontos turísticos da cidade, e na própria casa que Friedrich Engels viveu.

No dia 28/10, no início da tarde, um ato foi realizado pelos revolucionários da cidade, com a participação da Partizan. Em dado momento, dois policiais tentaram pegar dois manifestantes para identificá-los, levando a um confronto com os policiais. Sob a palavra de ordem Viva a solidariedade Internacional!, os revolucionários forçaram a polícia a soltar os dois manifestantes.

O ato marchou até a estátua de Friedrich Engels, onde os revolucionários cantaram o hino do proletariado internacional, A Internacional, encerrando o ato.

Em Bremen, um evento foi realizado pelos revolucionários destacando a vida revolucionária do chefe proletário.

Na América Latina, no México, um livro  produzido pelo jornal popular e democrático Mural em colaboração com o Centro de Estudos Culturais e Científicos da Revolução Proletária (CECCR) mostra a trajetória do chefe revolucionário.

Comemorando a data de seu nascimento, os revolucionários mexicanos realizaram ações com diversas organizações democráticas em solidariedade com a Frente Popular em Defesa da Terra e da Água de Tlaxcala, Puebla e Morelos após o despejo do acampamento Apatlaco, realizado pela Guarda Nacional reacionária. Bloqueando linhas ferroviárias, os revolucionárias ergueram bandeiras vermelhas e faixas com os chefes do proletariado internacional, Marx e Engels.

Organizações democráticas realizam protesto bloqueando os trilhos de trem no México, em solidariedade a despejos e em homenagem aos 200 anos de Engels. Foto: Sol Rojista.

Já na Ásia, na Índia, o Partido Comunista da Índia (Maoísta), que dirige uma Guerra Popular no país, na edição mais recente da revista People’s March, escreveu um artigo sobre o chefe do proletariado internacional em ocasião do seu aniversário de 200 anos, intitulado Engels, um teórico exemplar que não pode ser separado de Marx. No artigo, os comunistas afirmam que Engels “foi um chefe do proletariado do mundo, que ensinou a libertação da classe proletária tanto na teoria como na prática”.

Próxima à Alemanha, na Áustria realizaram um ato na Praça Friedrich Engels, em frente ao Engels Hof, um dos maiores prédios comunitários de Viena. Cartazes com os cinco chefes do Proletariado – Marx, Engels, Lenin, Stalin e o Presidente Mao – foram erguidos pelos revolucionários, assim como um cartaz em homenagem aos 200 anos de Friedrich Engels. A organização revolucionária Partizan na Áustria também participou do ato.

Também na Áustria, uma declaração foi escrita pelos revolucionários deste país. Intitulado Aniversário de um chefe da classe trabalhadora, os revolucionários afirmam que “Engels combinou com sua vida a luta incansável para o avanço do movimento operário com a elaboração da teoria necessária para dar-lhe uma perspectiva científica. Por esta razão, ele era muito estimado e amado pelos trabalhadores de todos os países e ao mesmo tempo odiado pelos capitalistas e seus teóricos burgueses”.

Ato na Áustria em homenagem aos 200 anos de Friedrich Engels, com participação da Partisan. Foto: Dem Volke Dienen. 

 

No Chile, cartazes foram colados em paredes com a imagem do chefe do proletariado internacional, em homenagem aos seus 200 anos.

Ainda na América Latina, no Equador, a Frente de Defesa das Lutas do Povo do Equador lançou uma nota em homenagem ao chefe proletário, onde afirmam que o “proletariado e o povo do Equador prestam uma homenagem vermelha a um dos marxistas mais ilustres que gerou a história da luta de classes”.

Nas Filipinas, o Partido Comunista das Filipinas, que dirige uma Guerra Popular no país, também lançou uma nota em homenagem à Friedrich Engels.

Na França, a Juventude Revolucionária (JR) compartilhou uma foto com uma faixa escrita Friedrich Engels, 200 Anos!

Na Galícia, revolucionários colocaram cartazes com os dizeres Viva Friedrich Engels! 200 anos, acompanhados da foice e o martelo.

Por fim, na Itália, cartazes em homenagem à Engels e com citações do mesmo foram colados em fábricas e, no dia 28/10, um evento em celebração ao chefe revolucionário foi realizado, com participação do Movimento Feminista Proletário Revolucionário (MFPR) e a Frente da Juventude Comunista de Taranto. Além disso, uma breve biografia sobre o chefe revolucionário foi lançada pelos revolucionários.

Casa onde viveu Friedrich Engels em Wuppertal, com bandeiras portando a foice e o martelo, símbolo da união operário-camponesa. Foto: Dem Volke Dienen. 

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro