Filipinas: Povo denuncia crimes do governo ultrarreacionário de Duterte

Povo denuncia crimes do velho Estado e governo de turno do presidente ultrarreacionário Rodrigo Duterte. Foto: Reuters.

No dia 10 de dezembro ocorreu uma grande manifestação em Manila, capital das Filipinas. O objetivo do ato foi realizar a denuncia de crimes contra o povo, todos cometidos pelo governo reacionário de Rodrigo Duterte. Foi um dos maiores protestos desde o começo da pandemia, contando com a presença massiva de diversas organizações democráticas.

Mesmo sob chuva, os manifestantes se organizaram na rua Mendiola, em direção ao Palácio Malacañang - palácio presidencial que funciona ao mesmo tempo como moradia e escritório de Duterte. Inicialmente, a polícia tentou bloquear o acesso à rua, mas foi forçada a recuar sob a pressão dos manifestantes. Estes carregavam faixas denunciando as prisões políticas ilegais e os assassinatos de camponeses, jovens e trabalhadores em luta a mando do velho Estado. 

Durante todo o ato, uma grande efígie (boneco construído com a intenção de satirizar) de Duterte foi carregada. Nela, via-se o presidente ultrarreacionário fazendo uma saudação nazista sentado em um trono acima de pessoas encarceradas. Em certo momento ela foi derrubada, representando a queda de Duterte.

Também foram registrados cartazes e faixas contra a lei “anti-terrorista” de Duterte, que é comparada a uma lei marcial (lei que é feita quando uma autoridade militar, após uma declaração formal, toma o controle da administração do judiciário). A lei também estabelece definição vaga de terrorismo e permite aos policiais a detenção de indivíduos por semanas sem acusações, entre outros absurdos.

O povo de Manila rejeita o projeto, apesar da lei ainda não estar em total funcionamento. As massas denunciam a tendência para que a repressão ocorra de forma ainda mais bruta, pois que estará assentada na legalidade jurídica. E que isto se dê em maior nível assim que a lei entrar em prática plenamente.

Vários manifestantes carregaram cartazes exigindo justiça à Reina Mae Nasino, militante urbana e prisioneira política que deu à luz na prisão e após um mês foi separada da filha. A bebê River morreu três meses após ser separada da mãe. Também foi exigida a liberdade da ativista camponesa Amanda Echanis e de seu filho de um mês de idade, Randall.

Polícia prende jornalista e seis organizadores sindicais

Na madrugada do dia 10/12, o “Grupo de Detecção e Investigação Criminal” fez uma operação conjunta em Manila, Mandaluyong e na Cidade Quezon. Nela, os agentes do estado reacionário invadiram a moradia de seis organizadores sindicais e de uma jornalista e os prenderam. Entre as acusações infundadas estavam: “posse de armas, munições e explosivos”. Essas acusações são bastante usadas pelo aparato de repressão do velho Estado filipino para deter democratas, militantes de esquerda e críticos ao governo de uma forma geral.

Os mandados de prisão dos sete foram emitidos pelo juiz executivo Cecilyn E. Burgos-Villavert. O mesmo juiz que já havia emitido, no ano passado, quatro mandados de invasão a casas e escritórios de ativistas. Estas decisões levaram à prisão de mais de 60 pessoas, incluindo Reina Mae Nasino.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro