Pichações em comemoração ao natalício do dirigente do proletariado internacional Josef Stalin

Atualizado 29 de dezembro de 2020

Recebemos em nossa redação diversas imagens de pichações encontradas em diferentes regiões do país em homenagem aos 142 anos do grande guia dos povos, o Marechal Joséf Stálin, completados em 18 de dezembro.

Rio de janeiro:

Estação desativada de trem, próximo à Leopoldina, Rio de Janeiro.

Campinas - são paulo:

Pichação registrada em Campinas, estado de São Paulo.

curitiba - paraná:

goiânia - goiás:

Pichação em homenagem aos 142 de Stalin é encontrada em Goiânia.

porto velho - rondônia:

Pichação encontrada na avenida 7 de setembro, em Porto Velho, Rondônia.

Pichação encontrada na avenida P Machado, em Porto Velho, Rondônia.

Stalin, fiel continuador da obra de Lenin, foi o maior dirigente e guia da construção da sociedade socialista soviética e principal liderança da luta dos povos soviéticos na Grande Guerra Patriótica, lendário combate que terminou com a vitória cabal da URSS contra o exército nazifascista de Hitler em 9 de maio de 1945. Devido a sua transcendental importância e prestígio no movimento comunista internacional, a burguesia o escolheu como alvo dos furiosos ataques anticomunistas.

Em março de 1953, quando da morte de Stalin, Pedro Pomar, grande dirigente comunista brasileiro, escrevia: “Quando nos foi transmitida a estarrecedora notícia, parecia o inacreditável. A princípio, a enfermidade traiçoeira. Depois, a morte irremediável. Era a desgraça que não podíamos nem queríamos esperar. Apagara-se a estrela fulgurante que com sua luz iluminava o nosso caminho para o futuro de paz, de alegria e de fartura. A dor pungente, a lágrima incontida, o sofrimento que emudece e turva as mentes, tudo sentimos – ante a perda de nosso chefe e mestre, de nosso pai e amigo. Simultaneamente, mal contínhamos o ódio sagrado a todos os degenerados que em face de nossa dor revelavam sua hediondez tentando denegrir a memória de nosso grande dirigente. Esses monstros, engendrados pelo capitalismo moribundo, confessavam assim sua própria impotência, sua derrota inelutável”.

Vini Oliveira.

Reproduzimos, abaixo, matéria publicada em 2010 por ocasião dos 132 anos de Stalin, intitulada O Stalin que se tenta esconder.


Todos os anos uma avalanche de calúnias é despejada contra os chefes do proletariado internacional, principalmente contra Stalin e Mao Tsetung. Esta tarefa foi muitíssimo facilitada pela restauração do capitalismo, após suas mortes, na URSS e na China, uma vez que os regimes ali instalados contribuíram, principalmente o da URSS social-imperialista, na divulgação de falsas acusações e ataques à ditadura do proletariado.

Stalin é frequentemente acusado de ter governado sozinho, como um tirano, sem dar espaço para o debate, e que suas vontades eram sempre a lei. Porém, inúmeros documentos, notadamente as atas das reuniões do comitê central do Partido Comunista (bolchevique) da União Soviética indicam o contrário, que Stalin se submetia às decisões que nem sempre eram propostas por ele.

Há ainda trabalhos que revelam a luta de Stalin pela reforma democrática na URSS na década de 30 e como foi derrotado pela resistência ativa de vários elementos dentro do próprio partido e do Estado*.

O texto abaixo demonstra claramente que não havia total unidade na direção do partido e que Stalin é impedido de se afastar da direção do partido e do Estado soviético, como já havia tentado antes e tentaria também depois, numa clara demonstração de compromisso com a classe operária e o socialismo e de que não tinha nenhuma espécie de apego pessoal ao poder, como caluniam seus detratores.

Discurso de Stalin no Pleno do Comitê Central do PCUS de 16 de outubro de 1952*

Celebramos o Congresso do Partido. Os trabalhos do Congresso foram levados a cabo bem e pode parecer a muitos que exista entre nós uma total unidade. Sem embargo, esta unidade não existe1. Alguns expressam desacordo com nossas decisões.

Se perguntam por que ampliamos substancialmente a composição do Comitê Central. É porque não está claro que era preciso introduzir novas forças no Comitê Central? Nós já estamos velhos, todos morreremos. E então não deveríamos acaso pensar a quem deveríamos entregar o testemunho de nossa grande causa? Quem a continuará? Para isto precisa-se de pessoas, representantes políticos mais jovens, fieis. E o que significa fazer crescer um representante político, um estadista? Para isso é necessário um grande esforço. São necessários dez ou quinze anos para preparar um homem de Estado...

Mas, não basta apenas desejá-lo. É possível preparar homens políticos ideologicamente forjados na atividade prática, no trabalho cotidiano para aplicar a linha geral do Partido, para vencer a oposição de cada tipo de elementos oportunistas hostis, que tendem a frear e minar a obra de construção do Socialismo. Os representantes políticos de experiência leninista, educados por nosso Partido, deverão derrotar na luta esses intentos hostis e conseguir o êxito pleno para alcançar nossos grandes objetivos.

Não fica claro que é necessário elevar o papel do Partido, dos comitês do Partido? Como se pode descuidar do melhoramento do trabalho do Partido entre as massas, como nos ensinou Lenin? Tudo isso requer uma afluência de forças jovens e frescas no Comitê Central, que é o quartel-general dirigente de nosso Partido. E desta forma o temos feito, seguindo as indicações de Lenin. É por isso que ampliamos a composição do Comitê Central. E também, por sua vez, o Partido cresceu.

Nos perguntam por que liberamos ilustres representantes do Partido e do Estado de importantes cargos ministeriais. Que podemos dizer quanto a isso? Liberamos Molotov, Kaganovich, Voroshilov e outros de seus cargos ministeriais e os substituímos por novos funcionários. Por quê? Sobre que base? O trabalho de ministro é um trabalho duro. Requer grande energia, conhecimentos concretos e saúde. Por isso é que liberamos alguns camaradas com méritos dos cargos que ocupavam e nomeamos em seu lugar funcionários novos, mais qualificados e decididos. São pessoas jovens, cheias de força e energia. Temos que apoiá-los em seu laborioso trabalho.

No que diz respeito a esses ilustres representantes políticos e estadistas, seguirão como tais, ilustres representantes políticos e estadistas. Nomeamos-lhes vice-presidentes do Conselho de Ministros. Nem mesmo eu sei quantos são meus vices.

Não podemos deixar de considerar o comportamento errático de alguns ilustres representantes políticos, se falamos da unidade de nossas ações. Refiro-me aos camaradas Molotov e Mikoyan.

O mujique é nosso devedor. Estamos unidos aos camponeses por uma forte aliança. Concedemos a terra aos Kolkhozes para a eternidade. Eles devem dar ao Estado o devido. Portanto, não se pode estar de acordo com o camarada Mikoyan.Passemos agora ao camarada Mikoyan. Chegou a indeferir o aumento do imposto aos camponeses. Quem é nosso Anastas Mikoyan? O que não está claro para ele? O camarada Molotov tem em tão alta consideração sua companheira, que basta que tomemos uma decisão no Birô Político sobre qualquer problema político e a coisa será conhecida rapidamente pela camarada Zemcuzina. Parece que há um fio invisível que conecta o Birô Político à consorte de Molotov, Zemcuzina e seus amigos. E ela está rodeada de amigos dos quais não nos podemos fiar2. é evidente que este comportamento de um membro do Birô Político é inadmissível.Ademais, o que significa esta proposta do camarada Molotov de oferecer a Crimeia aos judeus? Isto é um grave erro do camarada Molotov. Por que o fez? Como pôde fazê-lo? Baseado em que o camarada Molotov formulou tal proposta? Já temos a república autônoma dos judeus. Isso não é suficiente? Que essa república se desenvolva. O camarada Molotov não pode servir de defensor das pretensões dos judeus sobre nossa Crimeia soviética. O camarada Molotov se comporta de maneira incorreta como membro do Birô Político e nós rechaçamos categoricamente suas propostas extravagantes.Molotov é um camarada fiel a nossa causa. Se for chamado, estou seguro de que sem o menor titubeio sacrificaria sua vida pelo Partido. Mas não se pode ignorar algumas de suas ações pouco meritórias. O camarada Molotov, nosso ministro do exterior, em uma recepção diplomática, "traído por algum copo a mais", deu ao embaixador inglês a autorização para a publicação em nosso país de jornais revistas burgueses. Por que? Baseado em que considerou permitir isso? Se déssemos esse passo, eles exercitariam uma influência daninha, negativa, nas mentes e na visão de mundo dos cidadãos soviéticos, levaria ao debilitamento de nossa ideologia comunista e ao fortalecimento da ideologia burguesa. Este é o primeiro erro político do camarada Molotov.

[Mikoyan sobe à tribuna e se justifica fazendo referência a certas contas econômicas.]

Stalin (interrompendo Mikoyan): Mikoyan é um Frumkin3 principiante. Observem: se confunde a si mesmo e quer nos confundir também sobre estas claras questões de princípio.

[Molotov sobe à tribuna, admite seus erros, se justifica e assegura que foi e será um fiel discípulo de Stalin.]

Stalin (interrompendo Molotov): Besteiras! Eu não tenho discípulos. Todos nós somos discípulos do grande Lenin.

[Stalin propõe resolver as questões organizativas, eleger os órgãos dirigentes do Partido. A cargo do Birô Político está a eleição do Presidium do Partido, substancialmente ampliado, assim como o secretariado do CC do PCUS, composto por 36 pessoas.

Na lista, disse Stalin, estão todos os membros do antigo Birô Político, com exceção de Andreiev. Quanto ao respeitável Andreiev, tudo está claro, se tornou absolutamente surdo, não escuta nada, não pode trabalhar assim, tem que se curar.]

[Voz desde a sala: É preciso eleger o camarada Stalin como Secretário Geral do CC do PCUS.]

Stalin: Não! Me liberem dos cargos de Secretário Geral do CC do PCUS e Presidente do Conselho de Ministros da URSS.

G. N. Malenkov (da tribuna): Camaradas! Temos todos que pedir ao camarada Stalin, nosso guia e mestre, unanimemente e em uníssono, que seja todavia Secretário Geral do CC do PCUS!

Stalin (da tribuna): Ao Pleno do CC não fazem falta os aplausos. É preciso resolver os problemas sem emoções, de maneira prática. E eu peço para ser liberado dos cargos de  Secretário Geral do CC do PCUS e Presidente do Conselho de Ministros da URSS. Já estou velho. Não posso ler os documentos. Elejam outro Secretário.

S. K. Timoshenko: Camarada Stalin! O povo não entenderá. Todos nós, como se fôssemos um só homem, o elegemos nosso dirigente, Secretário do CC do PCUS. Não existe outra solução.

[Todos se põem de pé e aplaudem calorosamente, apoiando Timoshenko. Stalin fica um pouco de pé, olhando a sala, depois faz um gesto de contrariedade com a mão e se senta.]

Da redação de "Sovietskaia Rossia"

__________________________
NOTAS

*O discurso foi reportado no informe taquigráfico da sessão por L. N. Efremov e foi publicado por "Sovietskaia Rossia", em 13 de janeiro de 2000, e traduzido para o italiano por Stefano Trocini. Da ata se pode compreender que os acontecimentos relativos ao XX Congresso do PCUS estavam já amadurecendo antes da morte de Stalin e que a direita no Partido estava trabalhando para a viragem de 1956.

1 – Por exemplo, o texto Stalin e a loita pola reforma democrática, de Grover Furr, disponível em http://stalinreforma.blogspot.com/ (em galego).

2 – A afirmação de Stalin sobre a falta de total unidade na direção do Partido alcança evidente confirmação depois de sua morte. O grupo que toma a dianteira, ignorando as normas da democracia do Partido e soviética, restringe drasticamente a composição dos organismos dirigentes e faz de tudo para livrar-se das forças juvenis e altamente qualificadas promovidas no XIX Congresso do PCUS.

3 – Frumkin M. I., mencionado por Stalin, se inscreveu no Partido em 1898 e depois da Revolução de Outubro foi vice-comissário do povo para produtos alimentícios, presidente do comitê revolucionário da Sibéria, comissário do povo para o comércio exterior e comissário do povo para as finanças. Foi expoente ativo da oposição de direita.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin