Militares do USA participaram de simulação de guerra na Amazônia


Foto: O Globo.

A simulação de guerra na Amazônia realizada em setembro pelo Exército reacionário brasileiro foi acompanhada por militares do Estados Unidos (USA). As informações são do próprio ministro da Defesa, o general da reserva Fernando Azevedo e Silva, e foram dadas pelo ministro após um requerimento de explicações ter sido protocolado por deputados, a respeito do treinamento militar de proporções inéditas. 

“Informo que, fruto de acordo de reciprocidade de participação em manobras, militares dos Estados Unidos da América acompanharam como observadores”, afirmou o ministro, segundo informações veiculadas pelo monopólio de imprensa O Globo. No entanto, não houve detalhes de quem eram esses militares ianques presentes, tampouco sobre o papel que protagonizaram no treinamento. 

Leia mais: ‘Exército gasta milhões com treinamento de guerra inédito na Amazônia’

A simulação de uma guerra do “país vermelho contra o país azul”, com custo de R$ 6 milhões aos cofres públicos e envolvimento de 3,6 mil militares, foi realizada pelo Exército reacionário brasileiro entre os dias 8 e 22 de setembro na Amazônia, nas cidades de Manacapuru, Moura e Novo Airão (Amazonas) e no estado de Rondônia.

Na mesma semana, tinham ido ao local do treinamento o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, e o comandante do Exército, Edson Leal Pujol. O secretário de Estado ianque, Mike Pompeo, que é ex-diretor da Agência Central de Inteligência do USA, a CIA, também esteve na região. Ele havia ido a um posto de imigrantes venezuelanos em Roraima, na fronteira com a Venezuela, a 840 quilômetros de Manacapuru, onde se encontrou com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

A Operação “Amazônia”, como foi chamada, evidencia o avanço da militarização contrarrevolucionária na região, agora nitidamente com o apoio do imperialismo ianque.

Durante o governo de Bolsonaro e dos generais, a presença dos militares e o avanço da militarização na Amazônia têm sido intensificados por meio da aplicação de múltiplos decretos de “Garantia da Lei e da Ordem” (GLO) para, supostamente, combater o desmatamento e defender o meio ambiente, enquanto servem, de fato, para fortalecer a ofensiva contra os camponeses pobres em luta pela terra. As denúncias do movimento camponês, assim como de indígenas e outros povos tradicionais, vêm denunciando os recorrentes cercos às áreas onde vivem e trabalham, crescimento do número de ataques, e o reforço da defesa reacionária dos latifúndios na região.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro