Itália: Trabalhadores e estudantes marcham contra nova lei antipovo


Manifestantes rechaçam nova lei reacionária. Foto: Giordano Pennisi

Na noite do dia 18 de dezembro, centenas de estudantes e trabalhadores tomaram as ruas de Roma, capital da Itália, rejeitando a nova Lei Orçamentária que estava sendo votada no Parlamento ao mesmo tempo. A Lei, responsável por estabelecer a destinação dos recursos do período de 2021-2023, coloca nas costas dos trabalhadores os prejuízos da crise geral do capitalismo, beneficiando a burguesia do país imperialista.

Centenas de pessoas, com a maioria de jovens, se reuniram em frente ao Ministério da Educação, exigindo alocação de recursos para as escolas e universidades. Eles carregavam faixas e cartazes denunciando o governo reacionário e seguravam sinalizadores. Quando eles seguiram ao Panteão, buscando cercar o Montecitório (local da sede da Câmara dos Deputados), a polícia blindada e a tropa de choque fizeram uma barreira bloqueando a passagem.

Os manifestantes então foram até o Ministério da Saúde. Lá, palavras de ordem foram entoadas, exigindo para que os investimentos fossem destinado à saúde do povo, assim como para transporte, educação, moradia e renda mínima garantida pelo Estado durante a crise econômica e sanitária, agudizadas pela Covid-19. Ao final do ato, os manifestantes bloquearam o Largo di Torre Argentina.

Pela manhã do mesmo dia, estudantes no bairro Pietralata também haviam ocupado uma escola em protesto contra os planos das “autoridades” de transformar o prédio escolar em uma delegacia policial. Em um cartaz colado nas janelas da escola, lia-se Quais as prioridades na pandemia? Nós pedimos escolas e eles nos dão polícia! O prédio havia sido abandonado em 2016 e desde então ignorado pelo Estado, apesar da carência de espaços escolares em decorrência das limitações impostas pela pandemia atualmente.

Nova Lei Orçamentária escancara contradições de classe

No dia 15/12, Domenico Guzzini, presidente da Confindustria (a Confederação Geral da Indústria Italiana) de Macerata, falou durante uma conferência online sobre moda: “Temos que reabrir [a indústria]: mesmo que morra alguém, não importa.”

Apesar do fato ter sido noticiado com repúdio e como um fato isolado pela grande mídia italiana, a burguesia encara a situação nacional da mesma forma. No projeto de Lei aprovado no dia 18/12, nota-se uma imensa deficiência de recursos voltado aos trabalhadores, seja na saúde, educação ou de assistência de renda.

A Lei, na maioria de suas emendas, segue o mesmo caminho tomado pelo governo reacionário desde o início da pandemia. Isto é: tentar contornar o prejuízo econômico das grandes empresas ao custo do suor e do sangue da classe trabalhadora italiana. Tal medida já custou a vida de quase 70 mil pessoas, com o número de contágios agravado pela continuação do trabalho nas fábricas.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin