Caxemira: Forças indianas assassinam jovens e tentam incriminá-los como combatentes

Soldado indiano patrulha a Caxemira ocupada. Foto: Dar Yasin / AP

Na madrugada do dia 30 de dezembro, as forças da ocupação indiana na Caxemira assassinaram três jovens e, em seguida, alegaram que as vítimas eram combatentes da Resistência Nacional da região e que haviam morrido em um tiroteio. No entanto, as famílias dos mortos contestam a versão do velho Estado indiano e acusam-no de tentar incriminá-los para acobertar o crime. 

Os familiares dos homens assassinados, identificados como Zubair Ahmad, de 25 anos, Aijaz Ganai, de 22, e Ather Mushtaq, de apenas 16 anos, organizaram um protesto em frente à sede da polícia de Srinagar, capital da Caxemira, um dia após o ocorrido, exigindo justiça para os jovens. 

Segundo os parentes das vítimas, os três haviam viajado de suas respectivas cidades para Srinagar no dia 29/12 a fim de se matricularem na Universidade da Caxemira. 

O caso se soma a outros antecedentes em que soldados, policiais e paramilitares indianos executaram caxemires e tentaram pintá-los como membros de grupos que lutam contra a ocupação e pela libertação da Caxemira. 

Vide exemplo, em setembro a Índia foi forçada a admitir que um oficial do exército e dois associados haviam plantado armas nos corpos de três trabalhadores caxemires assassinados por eles para parecer que eram combatentes tombados durante um confronto armado. As mortes desses trabalhadores, em julho de 2020, geraram um enorme furor na Caxemira, e desencadearam diversos protestos. 

A região da Caxemira é o único território da Índia cuja população é de maioria muçulmana, e sofre diretamente com a perseguição hindu do velho Estado indiano. Em agosto de 2019, uma canetada decretou a supressão da suposta autonomia que a região possuía (apesar de ser apenas em termos meramente formais) até então, e a dividiu em dois territórios submetidos diretamente ao governo federal: Jammu e Caxemira. A região foi sitiada e cercada por tropas militares e paramilitares, as redes de internet e celular foram cortadas e um toque de recolher foi instaurado. 

Atualmente, cerca de meio milhão de efetivos indianos está mobilizado na região da Caxemira, sem contabilizar os grupos paramilitares que servem de força auxiliar. 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza