ES: Rodoviários protestam pela volta imediata dos cobradores

Rodoviários reunidos em manifestação no dia 04 de janeiro em Vitória, Espírito Santo. Foto: Banco de Dados AND.

Na manhã de 04 de janeiro, segunda-feira, primeiro dia útil de 2021, os rodoviários da região metropolitana de Vitória, Espírito Santo, promoveram uma paralisação do serviço de transporte público. Como principal reivindicação está a exigência da volta imediata dos cobradores, que foram dispensados de seus serviços como parte de 'medida restritiva à proliferação da Covid19' feita pelas empresas de transporte.

A ação de reivindicação feita pelos trabalhadores buscou dar visibilidade à situação atual que estão sendo obrigados a passar, particularmente os trabalhadores que exerciam a função de cobrador. Logo após eles serem dispensados, à alguns deles foram oferecidas outras funções, numa clara tentativa de precarizar um setor importante dos trabalhadores do transporte público.

Com a modificação ocorrida após a dispensa dos cobradores, houve também a alteração na forma das passagens serem cobradas. Não é mais possível viajar pagando a passagem em dinheiro. Atualmente a passagem pela catraca se dá somente com um cartão fornecido pela GVBUS. O que gerou maiores dificuldades de moradores do interior em se locomover até à capital, Vitória.

A redução da frota de ônibus em circulação foi um outro prejuízo para os trabalhadores que precisaram utilizar o transporte nos últimos meses. Esta ação foi feita pelas empresas do transporte 'público' da região de Vitória mesmo tendo sido comprados novos ônibus no início de 2020.

Leia também: "PE: Rodoviários em greve por direitos trabalhistas."

Os rodoviários, se antecipando à campanha mentirosa de difamação feita pela união de empresários, governo e monopólios de imprensa, se organizaram para repercutir suas ações através de vídeos divulgados em redes sociais. Em um deles é possível ver um rodoviário afirmando que os ônibus estão prontos a saírem para a rua, bastando somente que os cobradores possam voltar à sua função.

- Sem cobrador não sai! - afirmou um trabalhador em meio a dezenas de rodoviários que mesmo antes do dia nascer já se reuniam na porta da garagem de veículos.

Em um outro vídeo, gravado também nas primeiras horas da manhã, é possível ouvir: "Os cobradores, todo mundo aí, querendo trabalhar em seus postos de trabalho".

- Quando a gente coloca o cobrador no seu lugar, a própria empresa impede o ônibus de sair - afirmou um trabalhador durante a ação de paralisação.

Ainda assim, o Secretário de Transportes, Fábio Damasceno, foi até os monopólios de comunicação no objetivo de dar uma entrevista criminalizando o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado do Espírito Santo - Sindirodoviários:

- Estão descumprindo a decisão judicial (...), descumprindo acordo no Tribunal Regional do Trabalho - TRT, e mais uma vez prejudicando a população. Trazendo neste momento de pandemia aglomeração e deixando a população desprovida de transporte público. - afirmou 

O Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitano da Grande Vitória - GVBUS (que reúne as empresas do transporte público da região) se pronunciou também. Através de uma nota, afirmaram que os cobradores já foram deslocados para outras funções, e, ainda, chamou a ação justa dos trabalhadores de 'abusiva'.

cobradores são os primeiros a serem demitidos

O serviço de transporte no país é majoritariamente feito pelo modal rodoviário, com a utilização de ônibus, principalmente. A precarização das condições das viagens, sentidas por todos aqueles trabalhadores que, morando longe do serviço, precisam se dispôr a enfrentá-las, bem como o fato de rodoviários serem cada vez mais prejudicados com a 'dupla função' (condição em que o trabalhador exerce tanto como motorista e também cobrador), não são fatos restritos à região metropolitana de Vitória.

A Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos - NTU - divulgou um estudo que apontava que 33 cidades haviam extinto totalmente a função de cobrador.

Os dados estão duplamente defasados, primeiro porque a própria entidade afirma que nem todos os sistemas responderam à pesquisa; segundo porque o estudo foi feito há mais de um ano, em 2019.

O levantamento, ainda assim, mostra que em cinco municípios o pagamento de tarifa em dinheiro também foi eliminado. Nestes casos, os passageiros têm que utilizar cartão ou bilhete para pagar a passagem. Na cidade de Sorocaba, o posto de cobrador foi extinto ainda na década de 1990. Ali, o pagamento é feito por meio do cartão ou pagando a passagem por meio de bilhetes com QR Code (Quick Response Code: Código de Resposta Rápida na sigla em inglês) por meio de um smartphone.

O estudo mostra, além disso, que o posto de cobrador foi eliminado parcialmente em 32 municípios. Nesta lista, estão inclusas capitais como Rio de Janeiro, São Paulo, Recife, Porto Alegre e Vitória (localidade onde hoje se vê uma importante mobilização de trabalhadores por seus direitos).

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro